clique para ir para a página principal

Lista de empresas na fila pela abertura de capital na B3 aumenta

Atualizado em -

Lista de empresas na fila pela abertura de capital na B3 aumenta Freepik
► Fundo árabe negocia compra da Atvos, unidade sucroenergética da Odebrecht► O que é uma IPO e como posso avaliar uma oportunidade?

A lista de empresas que desejam abrir capital e colocar suas ações disponíveis na bolsa de valores brasileira ainda neste semestre segue crescendo. Recentemente, seis empresas entraram com pedido na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para fazer as suas ofertas iniciais de ações (IPOs).

Do grupo Cyrela, a Lavvi deseja arrecadar mais de R$ 2,1 bilhões, caso seus papéis saiam no topo da faixa indicativa de preço. A companhia - especializada em empreendimentos de alto padrão - pretende estrear na B3 em 2 de setembro.

Ainda no seguimento de condomínios de luxo, a Alphaville voltou a protocolar sua solicitação de IPO para oferta primária e secundária.

Ainda entraram na fila a EZ In (uma incorporadora), a Elfa Medicamentos, a empresa de logística Sequoia, e a companhia de varejo nordestino Grupo Mateus.

Sobre a EZ In, braço de empreendimentos comerciais da Eztec, vale destacar que ela prepara uma oferta apenas primária. Segundo o prospecto de captação da oferta, o valor a ser arrecadado será usado na aquisição de novos terrenos e projetos de imóveis comerciais em São Paulo, além da redução do endividamento e alavancagem.

Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima), os IPOs movimentaram R$ 10,2 bilhões em 2019 – um aumento de 51,7% em relação a 2018. Somente no primeiro semestre de 2020, cinco IPOs foram registrados. Entraram na bolsa brasileira Mitre Realty (MTRE3), Locaweb (LWSA3), Priner (PRNR3), Moura Dubeux (MDNE3) e AllPark (ALPK3).

Relacionados:

► Fundo árabe negocia compra da Atvos, unidade sucroenergética da Odebrecht► O que é uma IPO e como posso avaliar uma oportunidade?

Leia mais: