clique para ir para a página principal

O que é uma IPO e como posso avaliar uma oportunidade?

Atualizado em -

O que é uma IPO e como posso avaliar uma oportunidade? Freepik
► Fundo árabe negocia compra da Atvos, unidade sucroenergética da Odebrecht► Lista de empresas na fila pela abertura de capital na B3 aumenta

Como a expectativa de aumento no número de investidores na bolsa de valores brasileira (B3) ao longo do tempo, diversas empresas em ascensão planejam buscar no mercado mais capital para incrementar o negócio e alavancar o seu crescimento.

Uma maneira da empresa não se endividar com taxas de empréstimos bancários, por exemplo, é através do lançamento de um IPO - a chamada abertura de capital. A sigla em inglês significa "Initial Public Offering", ou "Oferta Pública Inicial" em português.

Quando a empresa decide seguir este caminho, uma vez aprovada toda a burocracia necessária na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ela anuncia a venda de parte de suas ações na bolsa de valores na expectativa de captar novos recursos por um custo mais em conta. O evento do lançamento de um IPO marca a primeira venda de ações de uma empresa. Dependendo do setor que atua, relevância e expectativa do mercado esse lançamento pode movimentar milhões ou até bilhões em um só dia.

Com o caixa cheio com mais dinheiro, a empresa pode expandir operações, comprar concorrentes, ampliar fábricas, adquirir equipamentos, investir em nova tecnologia, e usar até mesmo sanar dívidas.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima), os IPOs movimentaram R$ 10,2 bilhões em 2019 – um aumento de 51,7% em relação a 2018. Somente no primeiro semestre de 2020, cinco IPOs foram registrados. Entraram na bolsa brasileira Mitre Realty (MTRE3), Locaweb (LWSA3), Priner (PRNR3), Moura Dubeux (MDNE3) e AllPark (ALPK3).

Para o segundo semestre de 2020, entre ofertas subsequentes e IPOs, estão em espera entre 30 a 50 ofertas de ações na B3.

Como relevante comparativo, em julho de 2020, somente as bolsas americanas de Nasdaq e a NYSE juntas tinham mais de 5 mil empresas listadas. No Brasil, o número de empresas na B3 não passa de 600.

O crescimento macro das bolsas de valores – com a consequente melhora global para todos que investem em ações – gera um caminho natural com um ciclo que se retroalimenta. Quanto mais companhias listadas mais investidores se interessam em aplicar seus tostões. E quanto mais dinheiro disponível de novos investidores, mais disponibilidade de novas empresas abrirem capital para capitar dinheiro.

COMO AVALIAR A OPORTUNIDADE DE UMA IPO?

Além da grande liquidez nos mercados, o novo ambiente de juros mais baixo da história no Brasil coloca a bolsa de valores como uma relevante opção para financiamento das companhias.

Mesmo sendo um investimento de maior risco, os IPOs trazem também boas possibilidades de lucros para investidores. Fora o uso para diversificar a carteira, comprar ações de uma empresa com bons resultados financeiros, caixa saudável e planejamento sólido de crescimento do negócio em sua primeira oferta na bolsa pode ser uma ótima maneira de fazer o capital próprio do investidor render com o tempo. Afinal, quanto mais a empresa crescer, mais valiosa se tornará e mais dividendos distribuirá aos seus acionistas.

Em linhas gerais, na hora de decidir se vale a pena entrar no IPO, tenha uma visão geral da empresa no mercado; verifique a solidez dela no mercado no qual atua; compare com outras empresas que atuem no mesmo seguimento (se existirem); analise a estabilidade financeira da empresa ao longo dos anos e – com base nos balanços divulgados – faça uma projeção futura do negócio dela.

Por fim, caso não fique muito claro a relação entre a alta da bolsa de valores e o aumento no número de IPOs, saiba que com o Ibovespa superando máximas históricas isso gera uma euforia. Portanto, a tendência é que novatas na B3 consigam vender seus papéis por preços elevados no lançamento. Isso leva a uma avaliação sobre valer a pena comprar as ações da empresa no seu lançamento ou com o passar do tempo e consolidação de rendimentos nos balanços divulgados.

Tenha sempre em mente que se a companhia (através de oferta primária) anunciou a decisão de vender ações para usar o montante em investimentos novos, o dinheiro irá diretamente para o caixa dela. Logo, a tendência é de uma valorização imediata do valor de mercado da empresa.

Relacionados:

► Fundo árabe negocia compra da Atvos, unidade sucroenergética da Odebrecht► Lista de empresas na fila pela abertura de capital na B3 aumenta

Leia mais: