clique para ir para a página principal

Mercados operam em alta após autorização de novo tratamento contra Covid-19 nos EUA

Atualizado em -

Mercados operam em alta após autorização de novo tratamento contra Covid-19 nos EUA Foto: Freepik
► Qualicorp anuncia parceria comercial com Notre Dame e dispara na bolsa► Bolsonaro confirma extensão do auxílio emergencial até dezembro, mas não define valor

O Ibovespa encerrou a sexta-feira (21) próximo da estabilidade, variação de +0,05%, cotado a 101.521 pontos. Na manhã de hoje, os mercados operam no terreno positivo após o presidente americano, Donald Trump, anunciar a aprovação do novo tratamento plasmático para os casos graves de coronavírus. Segundo o presidente norte-americano, a agência reguladora FDA liberou o uso emergencial de plasma de convalescentes no tratamento de pacientes com coronavírus no país. A autorização é mais uma esperança de redução dos casos e mortes causados pelo covid-19. O índice futuro do S&P 500 indica abertura em alta de 0,82%, enquanto as bolsas europeias sobem 2%.

Outro fator que gera otimismo é um alívio nas tensões comerciais entre EUA e China. Segundo a imprensa, a equipe do presidente Donald Trump tem assegurado as empresas locais de que elas ainda podem fazer negócios com o aplicativo de mensagens WeChat na China.

Brasil

No cenário local, o destaque da semana será o conhecimento do megapacote social e econômico que será lançado amanhã. Será o Renda Brasil combinado a medidas de corte de despesas, obras públicas, estímulo ao emprego, atração dos investimentos privados e relançamento de algumas privatizações. O Ibovespa futuro indica alta de 1,11%.

Nesta segunda (24), o Banco Central divulgou o Boletim Focus com uma nova melhora no indicador do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020. Os economistas revisaram a estimativa de uma redução de 5,52% para 5,46% do PIB deste ano. Além disso, a estimativa de inflação para 2020 subiu de 1,67% para 1,71% e a expectativa é de que a Selic se mantenha em 2% até o fim do ano. Para o fim de 2021, a expectativa do mercado para a Selic subiu de 2,75% para 3% ao ano.

Cenário Corporativo

No cenário corporativo, a Azul teve sua nota de longo prazo rebaixada de B- para CCC pela agência de classificação de riscos Fitch Ratings. A decisão reflete a queda na demanda por viagens aéreas e também a dificuldade de a empresa levantar recursos no curto prazo.

Entre as commodities, a semana começa com futuros do minério de ferro recuando 1,83% em Dalian, enquanto o petróleo Brent opera em alta de 0,91%, cotado a US$ 45,37.

Relacionados:

► Qualicorp anuncia parceria comercial com Notre Dame e dispara na bolsa► Bolsonaro confirma extensão do auxílio emergencial até dezembro, mas não define valor

Leia mais: