clique para ir para a página principal

Desemprego subiu em 11 estados no segundo trimestre, aponta IBGE

Atualizado em -

Desemprego subiu em 11 estados no segundo trimestre, aponta IBGE Foto: Gabriel Jabur
► Bolsonaro confirma extensão do auxílio emergencial até dezembro, mas não define valor► Na pandemia, e-commerce registra maior faturamento em 20 anos

O período crítico da pandemia impactou negativamente nos empregos do país e 11 estados registraram aumento na taxa de desemprego no segundo trimestre do ano, enquanto 14 unidades da federação permaneceram estáveis. Apenas dois estados registraram queda na taxa de desocupação.

Segundo dados divulgados nesta sexta (28) pelo IBGE, os maiores aumentos no desemprego aconteceram em Sergipe, com alta de 4,3 pontos percentuais na taxa de desocupação, e no Mato Grosso do Sul, com avanço de 3,7 pontos percentuais.

As únicas quedas na taxa foram registradas no Pará, com redução de 1,6 ponto percentual, e no Amapá, onde a queda foi de 5,8 pontos percentuais.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), as maiores taxas de desocupação do trimestre foram registradas na Bahia (19,9%), Sergipe (19,8%) e Alagoas (17,8%). A menor taxa foi registrada em Santa Catarina (6,9%), seguido porPará (9,1%) e Rio Grande do Sul (9,4%).

O IBGE já havia divulgado anteriormente que a taxa de desocupação do país chegou a 13,3% no segundo trimestre deste ano, uma alta de 1,1 ponto percentual em relação ao que foi registrado no primeiro trimestre.

A maior taxa de informalidade foi registrada no Pará (56,4%) e a menor foi em Santa Catarina (25,8%). Segundo o IBGE, a taxa de informalidade para o Brasil no segundo trimestre ficou em 36,9% da população ocupada.

Relacionados:

► Bolsonaro confirma extensão do auxílio emergencial até dezembro, mas não define valor► Na pandemia, e-commerce registra maior faturamento em 20 anos

Leia mais: