clique para ir para a página principal

PIB: Entenda o que é e como ele é calculado

Atualizado em -

PIB: Entenda o que é e como ele é calculado Foto: Freepik
► Receita Líquida e Lucro Líquido: Entenda a diferença entre eles► PIB brasileiro encolhe 9,7% no segundo trimestre e registra maior queda desde 1996

Por que nos referimos ao crescimento do PIB como "crescimento da economia" e como esse índice é calculado?

PIB é a sigla utilizada para Produto Interno Bruto e representa a soma de todos os bens e serviços finais produzidos em uma determinada região em um período de tempo. No Brasil, quem faz esse cálculo é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É importante lembrar que somente os bens FINAIS entram na conta, para evitar a dupla contagem levando em consideração os bens intermediários que foram utilizados para produzir os produtos e serviços finais

Um exemplo Quando você compra R$ 10 de pão, esse valor inclui o valor da farinha, do fermento, de todos os ingredientes e também o imposto, portanto, você sempre leva em consideração esse valor final de R$ 10.

Portanto, o PIB mede o crescimento da economia levando em consideração a quantidade de bens e serviços que esse país produziu em um ano em relação ao ano anterior.

Quando falamos de PIB per capita, pegamos o valor do PIB dividido pela população do país. Esse indicador ajuda a avaliar se a economia está crescendo e se o padrão de vida está melhorando .

Brasil e o PIB

Segundo o gráfico da segunda imagem, o PIB brasileiro registrou altas e baixas nos últimos anos. Em 2020, em meio aos impactos negativos do coronavírus na economia, especialistas começaram a projetar um PIB brasileiro negativo.

text

O Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2021 divulgada pelo governo prevê um PIB com queda de 4,7% em 2020.

Como calcular?

O PIB pode ser calculado por três óticas: ótica do produto, ótica da renda e ótica da despesa.

Pela ótica do produto, o PIB é calculado através do valor de tudo que se produziu menos o valor do que foi consumido para produzir esses produtos.

Pela ótica da renda, o PIB é a soma da remuneração dos fatores produtivos, como capital, terra e trabalho.

Já pela ótica da despesa, o PIB é a soma total de gastos dos agentes econômicos em consumo de bens e serviços.

PIB real x PIB nominal

O PIB real é o PIB calculado a preços constantes, onde é escolhido um ano base para fazer os cálculos. A principal vantagem deste PIB é que ele elimina o efeito da inflação.

Ou seja, pegamos a quantidade de produtos produzidos e comercializados em um ano e utilizamos como base o preço de um outro ano.

Já o PIB nominal é o PIB calculado no ano em que o produto foi produzido e comercializado.

Exemplo: Um país produziu 10 cadeiras e 10 mesas em 2019, em 2020 ele produziu 10 cadeiras e 5 mesas. Em 2019, cada cadeira custava R$ 10, enquanto cada mesa custava R$ 1. Em 2020, cada cadeira custava R$ 30 e cada mesa custava R$ 5.

O PIB nominal de 2019 é (10x10)+(10x1) = R$ 110 O PIB nominal de 2020 é (10x30)+(5x5) = R$ 325

O PIB real de 2020, tendo como base o ano de 2019 é (10x10) + (5x1) = R$ 105

PIB x PNB

Vale citar que o Produto Nacional Bruto (PNB) é outro indicador econômico importante, além do PIB.

Enquanto o PIB é "o valor final de todos os bens e serviços produzidos pelas empresas que estão dentro das fronteiras de um país, em um dado período", o PNB pode ser definido como "o valor final de todos os bens e serviços produzidos por fatores de produção nacional em um dado período" (independentemente da região geográfica).

Por Exemplo: Toda a produção da montadora Renault (França) e da General Motors (EUA) dentro do território brasileiro é levada em conta para o fechamento do cálculo do PIB. Afinal, trata-se de produção interna, dentro das fronteiras do nosso país. No entanto, esses números não entram na conta final do PNB.

Um montante que entra na conta do PNB, mas não afeta o nosso PIB, é a produção da Petrobras em países fora do Brasil.

Relacionados:

► Receita Líquida e Lucro Líquido: Entenda a diferença entre eles► PIB brasileiro encolhe 9,7% no segundo trimestre e registra maior queda desde 1996

Leia mais: