clique para ir para a página principal

Supermercados e produtores têm 5 dias para explicar alta nos alimentos

Atualizado em -

Supermercados e produtores têm 5 dias para explicar alta nos alimentos Foto: Freepik
► Mesmo com desaceleração, inflação de agosto é a maior desde 2016► Ministra pede à Câmara de Comércio Exterior cota zero para importação de 400 mil toneladas de arroz

O governo quer explicações do setor produtivo e comercial sobre a alta no preço dos alimentos. A Secretaria Nacional do Consumidor, vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, notificou nesta quarta-feira (09) empresas de produção e distribuição de alimentos e deu prazo de cinco dias para receber esclarecimentos sobre a alta de alimentos que compõem a cesta básica.

“Não podemos falar em preços abusivos sem antes avaliar toda a cadeia de produção e as oscilações decorrentes da pandemia. Por essa razão, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor expediu ofícios para o levantamento de dados que são necessários para aferir qualquer abusividade”, afirmou em nota a secretária nacional do consumidor, Juliana Dominguez.

A partir das explicações enviadas, a Secretaria vai apurar se há abuso nos preços e se o direito dos consumidores está sendo desrespeitado.

Desde a semana passada, a alta dos preços dos alimentos chama a atenção do governo. No dia 04, o presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores que pediu "patriotismo" a donos de grandes supermercados para tentar conter o aumento dos valores e afirmou que o governo não vai interferir nos preços.

“Ninguém pode trabalhar de graça. Mas a melhor maneira de controlar a economia é não interferindo. Porque se interferir, der canetada, não dá certo”, disse o presidente.

Nesta semana, Bolsonaro afirmou que tem apelado aos donos de supermercados. Já a ministra Tereza Cristina (Agricultura) enfatizou que vai trabalhar para que os preços diminuam e pediu que a Câmara de Comércio Exterior (Camex) zere a taxa de importação de arroz para uma cota de 400 mil toneladas do produto até o final do ano.

Relacionados:

► Mesmo com desaceleração, inflação de agosto é a maior desde 2016► Ministra pede à Câmara de Comércio Exterior cota zero para importação de 400 mil toneladas de arroz

Leia mais: