clique para ir para a página principal

Vendas no varejo crescem 5,2% e registram melhor resultado para o mês de julho desde 2000

Atualizado em -

Vendas no varejo crescem 5,2% e registram melhor resultado para o mês de julho desde 2000 Foto: Natinho Rodrigues
► Mesmo com desaceleração, inflação de agosto é a maior desde 2016► Supermercados e produtores têm 5 dias para explicar alta nos alimentos

As vendas do varejo brasileiro continuam a trajetória de recuperação após o impacto causado pela pandemia e registraram alta de 5,2% no mês de julho na comparação com junho, conforme revelou o IBGE nesta quinta-feira (10). O resultado é o maior para o mês de julho desde o início da série histórica, em 2000, e representa a terceira alta seguida no ano.

varejo

Em julho, sete das oito atividades pesquisadas registraram alta, com destaque para o avanço dos setores de Livros, jornais, revistas e papelaria, com crescimento de 26,1%, Tecidos, vestuário e calçados, com avanço de 25,2%, e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, que registrou alta de 11,4%. A única atividade que não cresceu foi a de Hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que se manteve estável (0,0%) na passagem de junho para julho.

Em outro dado positivo, o IBGE mostra que 21 das 27 unidades da Federação tiveram resultados positivos em julho nas vendas do comércio varejista. Destaque para o Amapá, com alta de 34%, e para a Paraíba, com alta de 19,6% de um mês para o outro.

“Como o indicador despencou de fevereiro até abril, a base ficou muito baixa e essa recuperação vem trazendo todos os indicadores para os níveis pré-pandemia. Alguns setores estão bem acima dos níveis de fevereiro, como móveis e eletrodomésticos (16,9% acima), hiper e supermercados (8,9%) e artigos farmacêuticos (7,3%), além dos materiais de construção (13,9%), no varejo ampliado”, explica Cristiano Santos, gerente da pesquisa do IBGE.

Relacionados:

► Mesmo com desaceleração, inflação de agosto é a maior desde 2016► Supermercados e produtores têm 5 dias para explicar alta nos alimentos

Leia mais: