clique para ir para a página principal

Copom decide manter juros em 2% ao ano; manutenção era esperada pelo mercado

Atualizado em -

Copom decide manter juros em 2% ao ano; manutenção era esperada pelo mercado Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil
► Casa Verde e Amarela é lançado com juros reduzido; programa substitui o Minha Casa, Minha Vida► Bolsonaro suspende Renda Brasil: "Não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos"► Governo entrega proposta de reforma administrativa ao Congresso Nacional

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu nesta quarta-feira (16) manter a Selic em 2% ao ano. A decisão interrompe a sequência de nove cortes nos juros que foi iniciada em julho do no passado.

O comunicado do Copom afirma que a evolução do cenário externo, apesar de estar se recuperando e voltando à ativa, é algo incerto. Já na atividade econômica brasileira, há indicadores que sugerem que uma recuperação parcial, similar a que ocorre em outras economias.

Além disso, o comitê disse avaliar que a inflação deve se elevar no curto prazo. Contribuem para esse movimento a alta temporária nos preços dos alimentos e a normalização parcial do preço de alguns serviços em um contexto de recuperação dos índices de mobilidade e do nível de atividade.

O Copom avalia que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia.

No comunicado pós-reunião desta quarta, a autoridade monetária voltou a mencionar a existência de um pequeno espaço para cortar os juros à frente.

“Consequentemente, eventuais ajustes futuros no atual grau de estímulo ocorreriam com gradualismo adicional e dependerão da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação do Copom sobre a inflação prospectiva”, destacou o comunicado.

Boletim Focus

Especialistas ouvidos pelo Banco Central (BC) já previam que a projeção da Selic ficaria em 2,00% para 2020, mantendo os juros na mínima histórica. Para 2021, os analistas retiraram os 2,88% para 2,50%. As projeções ficaram em 4,50% em 2022 e saiu de 5,75% para 5,50% em 2023.

A expansão do Produto Interno Bruto (PIB) saiu de menos 5,31% para menos 5,11% para este ano. Para 2021, a estimativa permaneceu em 3,50%. As projeções ficaram em 2,50% para 2022 e 2023.

Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as projeções subiram de 1,78% para 1,94%. Para 2021, a previsão para o IPCA saiu de 3,00% para 3,01%. Para 2022, as estimativas ficaram em 3,50%. O índice ficou em 3,25% nas projeções para 2023.

Preço dos alimentos

A manutenção da taxa básica de juros acontece em paralelo à alta do preço de alguns alimentos. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o preço da cesta básica aumentou em 13 capitais em agosto, em comparação ao mês anterior. A cesta mais cara é a de São Paulo (R$539,95), seguida por Florianópolis (R$ 530,42) e Rio de Janeiro (R$ 529,76).

Ontem (15), o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou sobre o preço do arroz, cuja valorização é de 19,2% no ano, e afirmou que a alta se deve porque a condição de vida dos mais pobres está melhorando.

"A pauta de consumo dos mais vulneráveis e dos mais frágeis é justamente a alimentação e a construção da casa própria. Então está havendo um boom da construção na baixa renda e nos supermercados. Os mais pobres estão comprando, estão indo no supermercado, estão comprando material de construção. Então, na verdade, isso é um sinal de que eles estão melhorando a condição de vida. O preço do arroz está subindo porque eles estão comprando mais – está todo mundo comprando mais. Além disso, tem as exportações e subiu o dólar também”, justificou o ministro da Economia.

Reforma administrativa

Na quarta-feira (9), Guedes afirmou que a reforma administrativa deve gerar uma economia de R$ 300 bilhões para os cofres públicos em 10 anos. Essa estimativa considera a reforma como foi enviada ao Congresso Nacional, ainda sem alterações que poderão ser feitas pelos parlamentares.

Segundo o ministro, o presidente Jair Bolsonaro pediu para não mexer nos direitos já adquiridos dos servidores públicos, e ressaltou que a segunda fase da medida envolverá o envio de vários projetos, tocando em temas como consolidação de cargos, funções e gratificações, além de gestão de desempenho e diretrizes de carreira.

Relacionados:

► Casa Verde e Amarela é lançado com juros reduzido; programa substitui o Minha Casa, Minha Vida► Bolsonaro suspende Renda Brasil: "Não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos"► Governo entrega proposta de reforma administrativa ao Congresso Nacional

Leia mais: