clique para ir para a página principal

Governo eleva estimativa de déficit primário para R$861 bilhões em 2020

Atualizado em -

Governo eleva estimativa de déficit primário para R$861 bilhões em 2020 Foto: Marcello Casal Jr. | Agência Brasil
► Prévia mostra que confiança da indústria de setembro pode atingir melhor nível desde 2013► Petrobras elevará o preço da gasolina em 4% a partir de quarta-feira (23)

O Ministério da Economia revisou sua estimativa para o déficit primário em 2020 e agora prevê que o rombo será de R$861 bilhões, conforme divulgado no Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas nesta terça-feira (22).

No relatório anterior, divulgado no fim de julho, a expectativa de déficit era menor, de R$787,45 bilhões. Ao incorporar a prorrogação do auxílio emergencial nas contas, o rombo calculado ficou maior. No relatório desta terça, o governo elevou as despesas primárias calculadas para o ano em R$ 63,598 bilhões, a R$ 2,046 trilhões.

Para o ano de 2020, o governo tinha autorização para registrar em suas contas um déficit primário de até R$ 124,1 bilhões. No entanto, a pandemia do coronavírus e o decreto de calamidade pública mudaram os planos e tanto a equipe econômica como o Congresso aprovaram aumentar esse limite de déficit.

Outras projeções

Segundo o Ministério da Economia, a previsão de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) permaneceu em 4,7%, com valor nominal de R$ 7,19 trilhões. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como índice oficial de inflação, variou de 1,6%, no relatório de dois meses atrás, para 1,8% agora. Já a expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) aumentou de 2,1% no último relatório para 2,4% agora. Em relação à taxa Selic, o governo manteve a previsão de 2,6% ao ano em 2020. Atualmente, a taxa está em 2% ao ano.

Relacionados:

► Prévia mostra que confiança da indústria de setembro pode atingir melhor nível desde 2013► Petrobras elevará o preço da gasolina em 4% a partir de quarta-feira (23)

Leia mais: