clique para ir para a página principal

Governo aumenta projeção de rombo e déficit pode chegar a R$895,8 bi, diz Secretário de Fazenda

Atualizado em -

Governo aumenta projeção de rombo e déficit pode chegar a R$895,8 bi, diz Secretário de Fazenda Foto: Flickr | Palácio do Planalto
► Demanda de empresas por crédito cai; contratações para vagas temporárias crescem► Entenda como é calculado o IOF e como ele é cobrado

A pandemia do coronavírus pode causar um rombo de R$ 895,8 bilhões nas contas públicas, considerando os gastos dos governos federal, estatais federais, estaduais e municipais. A afirmação foi feita pelo Secretário Especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, nesta segunda-feira (28), durante audiência pública na comissão de acompanhamento dos gastos com a covid-19 no Congresso Nacional.

Segundo o secretário, esse déficit representa 12,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e seria o pior resultado dos últimos anos. No entanto, Waldery enfatiza que os gastos foram necessários para enfrentar a mais grave pandemia do século.

Waldery Rodrigues também afirmou que o impacto fiscal causado pelas medidas de enfrentamento à crise já soma R$ 607 bilhões. Desse total, R$ 586,6 bilhões representam aumento de despesas e R$ 20,6 bilhões são perdas de receita geradas por redução de tributos. A maior perda de receitas aconteceu por causa da redução a zero do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em empréstimos, no valor de R$ 14,1 bilhões.

“É um número muito elevado, mas ele é justificável e mostra a severidade dessa crise. Mas, também, mostra a ação do governo, buscando transparência, conservadorismo [fiscal] e eficácia”, disse o secretário.

Focus

O Banco Central divulgou nesta segunda (28) o Boletim Focus, que mostra as projeções de economistas do mercado financeiro a respeito de índices importantes da economia. De acordo com os dados de ontem, a expectativa para o PIB deste ano passou de retração de 5,05% para queda de 5,04%. Há quatro semanas, a estimativa era de baixa de 5,28%.

Relacionados:

► Demanda de empresas por crédito cai; contratações para vagas temporárias crescem► Entenda como é calculado o IOF e como ele é cobrado

Leia mais: