clique para ir para a página principal

IGP-M sobe 4,34% em setembro, com forte alta da soja

Atualizado em -

IGP-M sobe 4,34% em setembro, com forte alta da soja Foto: Jaelson Lucas
► Projeções se confirmam e confiança da indústria atinge melhor nível dos últimos 7 anos► Cosan cancela IPO da Compass devido à "deterioração das condições de mercado"

O Ibovespa iniciou a semana em forte queda, variação -2,41%, cotado a 94.666 pontos, indo na contramão do mercado internacional após a apresentação do programa “Renda Cidadã”. O descontentamento dos investidores foi devido à ausência de cortes de gastos dentro do projeto e o custeio se restringir a recursos destinados ao pagamento de precatórios pela União.

No cenário internacional, o índice futuro do S&P 500 indica abertura em queda de 0,16%, enquanto a Europa opera em queda de 0,40% após ter registrado forte alta na véspera. Nos EUA, acontece nesta terça (29) o primeiro debate entre o presidente Donald Trump e o candidato Joe Biden. Além disso, os democratas revelaram um pacote de US$ 2,2 trilhões de estímulos.

IGP-M sobe 4,34% em setembro

Na agenda econômica, destaque para a alta de 4,34% em setembro do índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), contra avanço de 2,74% em agosto. No ano, o índice acumula alta de 14,4%.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, os três índices que compõem o IGP-M registraram aceleração. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 5,92% em setembro, ante 3,74% em agosto, e segue influenciado pela alta de grandes commodities, como a soja em grão que subiu 14,32% em setembro.

Em relação ao Índice de Preços ao Consumidor (IPC), o avanço foi de 0,64% em setembro, ante 0,48% em agosto. O destaque coube ao subgrupo recreação cuja variação foi de 4,77%, sob influência de passagens aéreas que avançaram 23,74% nesta apuração.

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,15% em setembro, ante 0,82% no mês anterior. Nesse caso, destacam-se materiais e equipamentos, com preços que avançaram em média 2,97% no mês e 9,67% em 12 meses.

Corporativo

No cenário corporativo, o IRB aprovou a emissão de debêntures simples no valor de R$ 900 milhões em uma operação com esforços restritos (CVM 476). A emissão está marcada para 15 de outubro de 2020. As debêntures da primeira série terão prazo de três anos, enquanto as da segunda terão prazo de seis anos. O objetivo é o reenquadramento do IRB aos critérios definidos pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) e pelo Conselho Monetário Nacional (CVM).

Entre as commodities, os futuros do minério de ferro avançaram 1,4% na bolsa de Dalian, enquanto o petróleo Brent opera em queda de 0,37%, cotado a US$ 42,71.

Relacionados:

► Projeções se confirmam e confiança da indústria atinge melhor nível dos últimos 7 anos► Cosan cancela IPO da Compass devido à "deterioração das condições de mercado"

Leia mais: