clique para ir para a página principal

Azul e GOL reportam crescimento no tráfego de passageiros em setembro

Atualizado em -

Azul e GOL reportam crescimento no tráfego de passageiros em setembro Foto: Reuters/Ivan Alvarado
► Azul economiza R$ 3,2 bilhões após acordo com arrendadores► Justiça homologa aditamento ao plano de recuperação judicial da Oi

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira (5), a Azul (AZUL4) anunciou que o tráfego de passageiros consolidados (RPKs) em setembro cresceu 23,5% em relação a agosto deste ano. Em comparação com o mesmo período do ano passado, contudo, houve uma queda de 59,4%, devido à pandemia provocada pelo coronavírus.

Já a capacidade de ofertada pela empresa (ASKs) cresceu 16%, resultando em uma taxa de ocupação de 80,2%. A taxa de ocupação doméstica foi de 80,7%, enquanto a internacional totalizou 74,6%.

“Mais uma vez, nós continuamos a ver uma melhora na demanda doméstica de passageiros, na medida em que nos aproximamos da alta temporada no Brasil. A capacidade de setembro representou 42% dos ASKs registrados no mesmo período no ano passado, e em outubro esperamos atingir aproximadamente 55% da capacidade pré-Covid”, disse John Rodgerson, CEO da Azul.

E a Gol?

A Gol (GOLL4) reportou que a demanda RPK de setembro cresceu 36% sobre agosto de 2020. Já a oferta ASK aumentou em 35% em comparação com o mês anterior, resultando em uma taxa de ocupação de 80%. A empresa não realizou voos internacionais durante o mês, segundo o comunicado.

"Durante o mês de setembro, a GOL operou uma média de 270 voos por dia, reabriu três bases (Juiz de Fora, Londrina e Presidente Prudente) e adicionou 1.383 operações nos aeroportos de Guarulhos e Congonhas (São Paulo), Santos Dumont e Galeão (Rio de Janeiro), Fortaleza (Ceará) e Salvador (Bahia)", ressaltou a companhia.

Às 15h39, as ações da Azul subiam 7,69%, a R$ 26,18, enquanto os ativos da GOL disparavam 8,83%, valendo R$ 19,22.

Relacionados:

► Azul economiza R$ 3,2 bilhões após acordo com arrendadores► Justiça homologa aditamento ao plano de recuperação judicial da Oi

Leia mais: