clique para ir para a página principal

Em projeção mais otimista, FMI reduz expectativa de queda do PIB brasileiro para 2020

Atualizado em -

Em projeção mais otimista, FMI reduz expectativa de queda do PIB brasileiro para 2020 Foto: Yuri Gripas
► CVM lança aplicativo com informações sobre instituições cadastradas ► BC informa que 3,5 milhões de "chaves" PIX foram cadastradas; Bolsonaro desconhece sistema

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou novas projeções para a economia brasileira nesta segunda-feira (05) e mostrou mais otimismo em relação à crise que o país enfrenta. A previsão de queda do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano passou de 9,1% para 5,8% na nova projeção. Para 2021, o FMI prevê um crescimento de 2,8% do PIB.

Apesar da grande melhora na perspectiva do PIB, o fundo alerta que os riscos para a economia brasileira continuam “excepcionalmente altos e multifacetados” e podem ser impactados por fatores como uma segunda onda da pandemia de coronavírus, riscos sociais do prolongamento da recessão e perda de confiança dos investidores por causa da dívida pública brasileira. Para o FMI, a dívida pública brasileira terminará o ano de 2020 em torno de 100% do PIB e deve continuar em níveis semelhantes no médio prazo.

O FMI também citou o teto de gastos e ressaltou a importância de respeitar os limites para impedir que isso prejudique a confiança dos investidores no país e cause a elevação dos juros. O relatório também destaca que o Banco Central tem condições de reduzir ainda mais a taxa Selic, que está atualmente em 2% ao ano, caso a inflação permaneça baixa após o fim dos programas de estímulos fiscais elaborados para lidar com a pandemia.

“O uso contínuo da orientação futura para sinalizar que a taxa básica de juros permanecerá baixa por mais tempo, condicionada à manutenção de um regime fiscal sólido, pode ter um efeito expansionista sem riscos para a estabilidade financeira”, escreve o FMI no relatório.

Relacionados:

► CVM lança aplicativo com informações sobre instituições cadastradas ► BC informa que 3,5 milhões de "chaves" PIX foram cadastradas; Bolsonaro desconhece sistema

Leia mais: