clique para ir para a página principal

Banco Mundial prevê queda do PIB do Brasil em 2020 para 5,4%; antes sinalizava 8%

Atualizado em -

Banco Mundial prevê queda do PIB do Brasil em 2020 para 5,4%; antes sinalizava 8% Win McNamee/Getty Images
► PIB: Entenda o que é e como ele é calculado► Ministério da Saúde espera ter 140 milhões de vacinas contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021► Custos da construção civil sobem e atingem maior patamar desde 2013

Em relatório divulgado nesta sexta-feira (9), o Banco Mundial prevê que a pandemia provocada pelo novo coronavírus levará a atividade econômica no Brasil a encolher 5,4% em 2020. A previsão melhorou substancialmente a projeção feita pelo próprio banco em junho, quando estimou uma queda de 8% para o Produto Interno Bruno (PIB) brasileiro neste ano.

Apesar da redução, o número é superior à estimativa do Ministério da Economia, que prevê um tombo de 4,7% da economia brasileira em 2020.

Para 2021, o Banco Mundial projeta melhora, passando de uma expectativa de crescimento de 2,2% para 3%. A instituição divulgou também sua projeção para 2022: alta de 2,5%.

Em relação à América Latina e Caribe, o novo relatório da instituição aponta piora no cenário de forma geral neste ano.

Com estimativas mais negativas para o PIB de países como Argentina (-12,3%), Chile (-6,3%), Colômbia (-7,2%), Bolívia (-7,3%) e México (-10%), o cenário geral da região passou de queda de 7,2% para 7,9% em 2020. Para 2021, no entanto, foi de 2,8% para 4% a expansão do PIB. E para 2022, o número apresentado foi de crescimento de 2,8% na média dos 26 países.

Focus

O Banco Central divulgou no início desta semana o Boletim Focus, que mostra as projeções de economistas do mercado financeiro a respeito de índices importantes da economia. De acordo com os dados divulgados, a previsão de retração da economia passou de 5,04% para 5,02% na quarta semana seguida de melhora. Para 2021, o mercado continuou projetando uma alta de 3,5%.

text

Relacionados:

► PIB: Entenda o que é e como ele é calculado► Ministério da Saúde espera ter 140 milhões de vacinas contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021► Custos da construção civil sobem e atingem maior patamar desde 2013

Leia mais: