clique para ir para a página principal

Medo do desemprego cai em setembro e satisfação com a vida permanece estável

Atualizado em -

Medo do desemprego cai em setembro e satisfação com a vida permanece estável Foto: Amanda Perobelli | Reuters
► Banco Central informa que alcançou 30 milhões de "chaves" de identificação para uso do PIX► Restaurantes puxam alta e setor de serviços avança 2,9% de julho para agosto

O medo do desemprego no Brasil caiu em setembro na comparação com o fim do ano de 2019. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (14) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Índice do Medo do Desemprego ficou em 55 pontos em setembro deste ano. A taxa está 3,2 pontos abaixo do que foi registrado no mesmo mês de 2019 e 1,1 ponto abaixo do índice de dezembro de 2019.

Outro dado importante divulgado pela CNI mostra que o Índice de Satisfação com a Vida manteve-se praticamente constante: variou 0,2 ponto em setembro de 2020 na comparação com o mês de dezembro de 2019 e 0,5 ponto em relação ao mês de setembro do ano passado.

text

Fonte: CNI

O auxílio emergencial e a retomada gradual das atividades no país podem ter impactado positivamente no índice e aumentado a sensação de segurança em relação ao emprego. Apesar da melhora, o medo ainda é maior entre as mulheres: o índice para homens é de 46,8 pontos e, para as mulheres, de 62,4 pontos.

Na análise por regiões, o medo do desemprego é maior no Nordeste, que registrou 61,2 pontos. O menor índice é da região Sul, onde o indicador foi de 43 pontos. A população que recebe até um salário mínimo também é a mais preocupada, com 65 pontos. Pessoas com renda familiar acima de cinco salários mínimos registraram 42,2 pontos no índice. Entre as pessoas que estudaram somente até a 4ª série do ensino fundamental, o índice é de 59,2 pontos. Aqueles com nível superior têm uma preocupação menor, com índice de 50,1 pontos.

Relacionados:

► Banco Central informa que alcançou 30 milhões de "chaves" de identificação para uso do PIX► Restaurantes puxam alta e setor de serviços avança 2,9% de julho para agosto

Leia mais: