clique para ir para a página principal

Camex decide zerar imposto para importação de soja e milho até 2021

Atualizado em -

Camex decide zerar imposto para importação de soja e milho até 2021 Pixabay
► Puxada por alta nos alimentos, inflação acelera em setembro► Medo do desemprego cai em setembro e satisfação com a vida permanece estável

O Ministério da Economia informou, neste sábado, que a Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para milho e soja. O governo comunicou que a "medida tem o objetivo de conter a alta de preços nos alimentos".

Impulsionado pelo setor de alimentação e bebidas, a inflação oficial do país foi de 0,64% em setembro - a maior para o mês desde 2003. Segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgado na última quarta-feira (14), a inflação atingiu todas as faixas de renda do país no mês de setembro.

De acordo com o Ministério da Economia, no caso da soja, a redução da alíquota de importação para zero será válida até 15 de janeiro de 2021 e abrangerá grãos, farelo e óleo de soja. Já o milho terá uma redução de 8% para zero, válida até 31 de março de 2021.

No começo de setembro, o governo federal já havia zerado a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado até o fim deste ano. O presidente Jair Bolsonaro chegou a pedir publicamente a donos de supermercados que ajudassem a conter a alta do preço do arroz.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa setores de avicultura e suinocultura do Brasil, protocolou no mês passado o pedido de isenção das tarifas de importações. Essa indústria usa o farelo de soja e o cereal como insumos para alimentação animal e, por conta disso, teve suas margens atingidas devido ao aumento de custos na compra destes grãos.

Relacionados:

► Puxada por alta nos alimentos, inflação acelera em setembro► Medo do desemprego cai em setembro e satisfação com a vida permanece estável

Leia mais: