clique para ir para a página principal

35% dos voluntários da vacina chinesa contra Covid-19 no Brasil tiveram reações leves

Atualizado em -

35% dos voluntários da vacina chinesa contra Covid-19 no Brasil tiveram reações leves Unsplash
► Camex decide zerar imposto para importação de soja e milho até 2021► Presidente do BC afirma que país enfrenta ponto de inflexão em relação à credibilidade fiscal

Dos 9 mil voluntários que participaram dos testes no Brasil da vacina chinesa contra Covid-19, desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o instituto Butantan, 35% tiveram reações leves, é o que afirmou o governo de São Paulo nesta segunda-feira (19). Não houve registro de efeito colaterais graves.

"Os primeiros resultados do estudo clínico realizado no Brasil comprovam que entre todas as vacinas testadas no Brasil a CoronaVac é a mais segura, a que apresenta os melhores índices e mais promissores. E é de fato mais avançada nesse momento. Os resultados dos testes demonstram até aqui que a CoranaVac foi a que apresentou o menor índice de efeitos adversos", afirmou o governador João Doria (PSDB).

Os sintomas apresentados pelos voluntários que tiveram reações foram dor de cabeça, edema e inchaço no local onde a vacina foi aplicada, sendo cefaleia a reação com maior porcentagem registrada na primeira e segunda dose.

Segundo dado divulgado em setembro, 94,7% dos voluntários que participam do teste na China não apresentaram efeito adverso.

O diretor do Instituto Butantan ressaltou que o programa não terminou e que mais voluntários são necessários para os testes, especialmente idosos.

"O fato de nós apresentarmos uma fase não significa que já se encerrou o programa. Não, pelo contrário, voluntários são necessários e nós estamos dependendo muito desses voluntários para poder dar rapidez a esse processo. E ainda em previsão, o que nós chamamos de imunocov, que é um estudo que é feito da resposta imunológica em idosos para saber se a vacina a dose normal, funciona, ou não, em idosos, se é necessário um reforço, se é necessário uma vacina fortalecida", afirmou Dimas Covas.

É importante lembrar que ainda não há dados sobre a eficácia da CoronaVac. As análises só podem ser feitas após 61 casos confirmados de coronavírus entre os voluntários.

Doria diz que toda população de SP será vacinada até fevereiro

Em setembro, João Doria, governador de São Paulo, anunciou que toda a população do estado vai receber a vacina chinesa contra a Covid-19, até fevereiro de 2021.

“Aos brasileiros de São Paulo, sim, garanto que teremos a vacina, a CoronaVac, para atender a totalidade da população de São Paulo, já ao final deste ano e ao longo dos dois primeiros meses de 2021, e vamos imunizá-los”, disse Doria nesta segunda.

A expectativa é que os resultados sejam enviados para a Anvisa no final de outubro. Dimas Covas já declarou que o governo de São Paulo vai pedir liberação do uso emergencial da CoronaVac para a Anvisa caso a vacina demonstre eficária de pelo menos 50% em análise preliminar.

Rússia inicia transferência tecnológica para produzir vacina no Brasil

O diretor executivo do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev, anunciou que o processo de transferência de tecnologia já começou e deve ser acelerado devido à pandemia. Um acordo entre o RDIF e a farmacêutica União Química pode permitir que a empresa produza no Brasil a vacina desenvolvida na Rússia.

A Sputnik V, que está sendo desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, utiliza tecnologia de vetor viral, em que outro tipo de vírus é modificado e utilizado para transportar informações genéticas do novo coronavírus. Esta mesma tecnologia é utilizada pelas vacinas da AstraZeneca, Johnson & Johnson e da Cansino.

Relacionados:

► Camex decide zerar imposto para importação de soja e milho até 2021► Presidente do BC afirma que país enfrenta ponto de inflexão em relação à credibilidade fiscal

Leia mais: