clique para ir para a página principal

FGV aponta que a expectativa de inflação fica estável em 4,7% ao ano entre consumidores

Atualizado em -

FGV aponta que a expectativa de inflação fica estável em 4,7% ao ano entre consumidores Foto: EBC
► Funchal afirma que Tesouro espera retomada de repasses do BNDES em 2021 e que o valor será discutido► Governo confirma nova rodada do Pronampe e programa deverá se tornar permanente

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou nesta quinta-feira (22) que a expectativa de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses ficou estável em 4,7% no mês de outubro. Em relação ao mesmo período do ano passado, houve redução de 0,2 ponto percentual.

“Apesar da pressão observada e esperada de alguns preços, como dos alimentos, a mediana da expectativa de inflação dos consumidores para os próximos doze meses, em geral, não se alterou. Entretanto, essa estabilidade pode ser considerada um resultado positivo, apesar do nível estar consideravelmente acima do consenso de mercado e da meta oficial", afirmou Renata de Mello Franco, Economista da FGV IBRE.

Segundo a Apas (Associação Paulista de Supermercados), o atual cenário, apesar da estabilidade de outubro, continua mexendo com toda a cadeia de alimentos, o que afeta muito a população.

Em dados divulgados em setembro, a associação apontou que o aumento no arroz foi de 16,9% e acumula 47,04% no ano. O leite, que desde março segue em alta, em setembro atingiu 7,26%, somando, em 2020, 37%. Como consequência, os produtos derivados também sofreram aumentos, como 7,73% na muçarela, 5,8% no queijo prato e 5,28% no leite condensado. Já o feijão registrou uma queda de 1,78%.

Até setembro, a inflação geral no setor varejista alimentar acumulada em 2020 é de 8,3%. Em 2018 e 2019, para todo ano o saldo foi 4,33% e 5,73%, respectivamente.

“O aumento do desemprego e as dificuldades de renda do brasileiro refletem nas escolhas do consumidor, que sente esta inflação causada por um cambio desvalorizado frente ao dólar. A APAS segue conversando com toda a cadeia de abastecimento e solicitando aos supermercadistas que apenas repassem aos consumidores os aumentos provenientes dos produtores”, ressalta o presidente da APAS, Ronaldo dos Santos.

Relacionados:

► Funchal afirma que Tesouro espera retomada de repasses do BNDES em 2021 e que o valor será discutido► Governo confirma nova rodada do Pronampe e programa deverá se tornar permanente

Leia mais: