clique para ir para a página principal

Kassio Marques é aprovado pelo Senado e será próximo ministro do STF

Atualizado em -

Kassio Marques é aprovado pelo Senado e será próximo ministro do STF Foto: Sergio Lima
► Levantamento do Sebrae e FGV aponta melhoria no acesso ao crédito para pequenos negócios► Ministério da Saúde diz que não comprará vacina vinda da China

O Senado aprovou nesta quarta-feira (21) a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para ser o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Após uma sabatina que durou o dia inteiro, os senadores decidiram, por 57 votos a 10, pela aprovação.

Kassio Marques foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a cadeira que pertencia ao ministro Celso de Mello. A aprovação do nome já era esperada, uma vez que a indicação foi bem aceita por parlamentares assim que Bolsonaro fez o anúncio.

Durante a sabatina, Kassio Marques afirmou que a discussão sobre possibilidade de prisão após condenação em 2ª instância cabe ao Congresso Nacional, se posicionou como um "defensor do direito à vida" ao falar sobre aborto, e ressaltou que sempre privilegia as decisões do colegiado. Sobre a Operação Lava Jato, o desembargador declarou que não tem nada contra a operação.

"Eu, pessoalmente, não tenho nada contra nenhuma operação que eu tenha notícia no Brasil, principalmente quando é conformada com esses elementos, participação do MP, Poder Judiciário e das polícias judiciais, ressalvando a competência do Poder Judiciário para promover os ajustes que se façam necessários se, numa eventualidade, houver o descumprimento da lei e da Constituição", disse.

Kassio Marques tem 48 anos e pode atuar no STF até completar 75 anos, ou seja, sua trajetória na Corte por durar 27 anos. Ele se juntará a Rosa Weber, Cármen Lucia, Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Luis Roberto Barroso, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello, Dias Toffoli, Luiz Fux e Edson Fachin.

Relacionados:

► Levantamento do Sebrae e FGV aponta melhoria no acesso ao crédito para pequenos negócios► Ministério da Saúde diz que não comprará vacina vinda da China

Leia mais: