clique para ir para a página principal

Confiança do consumidor cai e interrompe trajetória de recuperação

Atualizado em -

Confiança do consumidor cai e interrompe trajetória de recuperação Foto: Freepik
► Bolsonaro afirma que país não aumentará impostos após a pandemia► Prévia da inflação registra alta de 0,94% em outubro, maior resultado em 25 anos; mercados operam em alta

Depois de 6 meses em crescimento, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) apresentou queda de 1,0 ponto no mês de outubro, para 82,4 pontos, numa escala que vai de zero a 200 pontos.

text

Fonte: FGV IBRE

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira (23) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), houve retrocesso na confiança em todas as faixas de renda, impactadas pela pandemia do coronavírus e a incerteza sobre o cenário econômico no futuro.

Os consumidores de menor renda, mais vulneráveis, continuam menos confiantes que os demais. A confiança do consumidor brasileiro também continua sendo impactada pelo medo da Covid-19, motivando uma postura muito cautelosa, que deve persistir enquanto não houver uma solução para a crise sanitária”, destaca Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens.

A confiança do consumidor vinha em trajetória de crescimento desde o mês de maio, mostrando expectativas positivas em relação à retomada econômica. Em outubro, o Índice de Situação Atual (ISA) recuou 0,2 ponto, para 72,4 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 1,3 ponto, para 90,2 pontos.

Índice de Preços ao Consumidor

Outro dado importante divulgado pela FGV nesta sexta foi o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S).

De acordo com o levantamento, o IPC-S de 22 de outubro de 2020 variou 0,79%, ficando 0,22 ponto percentual (p.p) abaixo da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,23% no ano e 4,53% nos últimos 12 meses.

Cinco das oito classes de despesas componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Educação, Leitura e Recreação, que saiu de uma variação de 4,86% para 3,34%.

text

Relacionados:

► Bolsonaro afirma que país não aumentará impostos após a pandemia► Prévia da inflação registra alta de 0,94% em outubro, maior resultado em 25 anos; mercados operam em alta

Leia mais: