clique para ir para a página principal

Hypera tem alta de 29% no lucro do 3t20 com redução de custos; lucro da Romi sobe 12,9%

Atualizado em -

Hypera tem alta de 29% no lucro do 3t20 com redução de custos; lucro da Romi sobe 12,9% Imagem: Hypera/divulgação
► O que é Ebitda e como usar esse indicador para avaliar uma empresa► Retomada da demanda de equipamentos faz lucro da WEG saltar 54% no terceiro trimestre

A Hypera Pharma (HYPE3) informou na noite desta sexta-feira (23) que seu lucro no terceiro trimestre deste ano somou R$ 345,6 milhões, alta de 29,4% em comparação com o mesmo período do ano passado.

"Esse crescimento é consequência principalmente da disciplina na gestão de custos e despesas com o objetivo de reduzir os impactos negativos de curto prazo da pandemia de Covid-19, que levaram à redução das despesas de marketing e administrativas no 3T20", justificou.

Já o resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) das operações continuadas subiu 32,2%, a R$ 393,5 milhões.

A receita líquida cresceu 7,9% e alcançou R$1.088,5 milhões, maior patamar já registrado pela companhia em um trimestre desde que passou a concentrar suas operações exclusivamente no mercado farmacêutico.

Os investimentos totais em pesquisa e desenvolvimento, incluindo o montante capitalizado como ativo intangível, atingiram 8,6% da receita líquida e totalizaram R$93,2 milhões no 3T20.

A Hypera passou de caixa líquido de R$ 369,8 milhões no fim de junho para endividamento líquido de R$ 637,3 milhões no fim de setembro, após o pagamento de R$ 1,3 bilhão pela compra das marcas Buscopan. A companhia informou ainda que emitiu R$ 735 milhões em debêntures de longo prazo para pagar o portfólio de medicamentos adquirido da Takeda.

Romi

Na terça-feira (20), as Indústrias Romi (ROMI3) revelaram que seu lucro operacional subiu 12,9% no terceiro trimestre de 2020 ante o mesmo período de 2019, somando R$ 30,8 milhões. Em relação ao segundo trimestre deste ano, o número disparou 199,5%, o que mostra uma forte recuperação da empresa.

"A partir do mês de junho deste ano, pudemos perceber uma recuperação sólida em relação ao volume de negócios realizados em março e abril, o que pode ser notado no volume de entrada de pedidos no 3T20”, disse a companhia na mensagem da administração.

Já a receita líquida somou R$ 250 milhões, elevação de 1,6% no ano e 27,8% no trimestre. No período acumulado de nove meses, o crescimento foi de 14,5%.

O Ebitda fechou o período em R$ 40,1 milhões, elevação de 12,8%. A margem Ebitda ficou em 16%, variação positiva de 0,63 ponto percentual. O resultado líquido foi positivo em R$ 36,1 milhões.

“Embora o ambiente ainda apresente incertezas, a redução dos juros e a desvalorização do real têm estimulado a indústria e o país em geral a alocar uma maior parcela do capital na economia produtiva”, informou.

Relacionados:

► O que é Ebitda e como usar esse indicador para avaliar uma empresa► Retomada da demanda de equipamentos faz lucro da WEG saltar 54% no terceiro trimestre

Leia mais: