clique para ir para a página principal

Mourão diz a autoridades europeias que meta é reduzir desmatamento na Amazônia em 50%

Atualizado em -

Mourão diz a autoridades europeias que meta é reduzir desmatamento na Amazônia em 50% Foto: Alan Santos/PR
► Mourão afirma que estados poderão comprar vacina chinesa 'por conta própria'► Maia defende CoronaVac e se põe à disposição para ajudar a solucionar o impasse sobre vacina

O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse nesta sexta-feira (23) que participou de uma reunião com representantes de oito países europeus e propôs uma meta para redução de 50% do desmatamento da Amazônia. Esse grupo de países é o mesmo que mandou uma carta, em setembro, pedindo para que o governo brasileiro tome "ações reais" para combater os incêndios na região.

"A meta de redução, nós apresentados para eles, até chegar em 2023 com menos da metade que nós temos hoje de desmatamento, na faixa dos 4 mil quilômetros quadrados, que seriam aqueles números melhores que nós tivemos naquela década passada", disse Mourão, após a reunião.

Mais cedo, o vice-presidente anunciou que Tesouro Nacional irá liberar R$ 134 milhões do Ministério do Meio Ambiente para retomar as atividades da pasta. A decisão ocorre após conflito público entre os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

"Está resolvida situação do Ibama, ontem foi acertado, o Tesouro vai liberar recurso que está bloqueado", afirmou.

Na quarta-feira (21), o Ibama determinou que brigadistas de combate aos incêndios florestais retornem às suas bases. De acordo com a instituição, a decisão é resultado da “exaustão de recursos”, já que o órgão vem enfrentando dificuldades desde setembro por conta da falta de liberação de verbas pela Secretaria do Tesouro Nacional, vinculada ao Ministério da Economia.

Ontem, Ricardo Salles escreveu uma mensagem no Twitter pedindo que Luiz Eduardo Ramos deixe de lado a postura de "Maria Fofoca".

Sobre as declarações do chefe da pasta do Meio Ambiente, Mourão disse que o episódio foi "péssimo" e que Salles deveria ter conversado pessoalmente com Ramos.

"Péssimo, isso aí. Vamos conversar e nos entender. Acho que ele se arrependeu. Muitas vezes a pessoa reage no calor dos acontecimentos e termina tomando uma linha de ação que é péssima. Se você tem alguma diferença com alguém, se você precisa esclarecer alguma coisa, você vai e conversa pessoalmente, não dessa forma", afirmou.

Relacionados:

► Mourão afirma que estados poderão comprar vacina chinesa 'por conta própria'► Maia defende CoronaVac e se põe à disposição para ajudar a solucionar o impasse sobre vacina

Leia mais: