clique para ir para a página principal

Aumento de casos de Covid-19 na Europa impacta negativamente os mercados

Atualizado em -

Aumento de casos de Covid-19 na Europa impacta negativamente os mercados Shutterstock
► ONU informa que investimento no Brasil caiu 48% no primeiro semestre► Governo projeta PIB per capita maior que o da Argentina em 2031

O Ibovespa encerrou a última sessão em queda, variação -1,40%, cotado a 99.606 pontos. O dólar fechou em alta de 1,25%, a R$5,68, após as declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, criticando a base do governo no Congresso.

Abertura de mercado

Na manhã de hoje, as bolsas europeias operam em forte queda (-2,42%) pelo terceiro dia consecutivo com o grande aumento das contaminações por Covid-19 no continente. Dessa forma, o mercado europeu atinge o seu pior patamar desde maio. Há relatos de que a França considera anunciar um “lockdown” nacional de um mês e a Alemanha planeja novas restrições para conter a nova onda de infecções. O mau humor se estende para os EUA e o índice futuro do S&P 500 indica queda de 1,5%.

Na agenda econômica do dia, atenções voltadas para a decisão do COPOM (Comitê de Política Monetária) às 18 horas. A expectativa é de manutenção da taxa SELIC em 2,00% a.a. e de exposição no comunicado sobre os próximos passos para a política monetária.

Corporativo

No cenário corporativo, os resultados do terceiro trimestre continuam.

A Localiza divulgou o resultado do terceiro trimestre e viu o seu lucro líquido crescer 59% no período, para R$ 325,5 milhões na comparação anual. A companhia apresentou crescimento de 8,6% no volume de carros alugados do período e alta de 23,7% do volume de carros vendidos, em relação ao terceiro trimestre de 2019. Veja mais aqui.

Entre as commodities, os contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em alta de 2,41%, enquanto o petróleo Brent opera em forte queda de 3,87%, cotado a US$ 40,01.

Relacionados:

► ONU informa que investimento no Brasil caiu 48% no primeiro semestre► Governo projeta PIB per capita maior que o da Argentina em 2031

Leia mais: