clique para ir para a página principal

Governo projeta PIB per capita maior que o da Argentina em 2031

Atualizado em -

Governo projeta PIB per capita maior que o da Argentina em 2031 Eduardo Frazão | Exame
► CNC afirma que a intenção de consumo subiu em outubro, mas resultado é o pior para o mês► ONU informa que investimento no Brasil caiu 48% no primeiro semestre

O governo federal projeta que, em 2031, o Brasil pode ter um PIB per capita superior ao registrado atualmente em países como Argentina, Polônia e Croácia. A expectativa está na Estratégia Federal de Desenvolvimento para o Brasil, publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (27).

O documento traça dois cenários: um cenário de referência, sem muitos avanços na adoção de reformas microeconômicas com grandes impactos sobre a produtividade, apenas com melhorias marginais; e um cenário transformador, que considera que, além das reformas requeridas para o equilíbrio fiscal de longo prazo, também haveria um conjunto mais amplo de reformas.

A projeção de um PIB maior do que o da Argentina, Polônia e Croácia aconteceria no cenário transformador. Nessa hipótese, o país teria um crescimento acumulado de 37,2% do PIB per capita até 2031 em relação ao ano-base de 2020. A taxa média de crescimento de 2,9% ao ano para o PIB per capita no período de 2021 a 2031, somada à expansão populacional projetada pelo IBGE, levaria o crescimento médio do PIB para 3,5% ao ano no período.

No cenário de referência, mais simples, o PIB per capita de 2031 seria 19,1% maior que o de 2020, o que significaria uma taxa média de crescimento de 1,6% ao ano no período.

text

Fonte: Governo Federal

“A estabilidade macroeconômica é hipótese fundamental nos dois primeiros cenários, o cenário de referência e o cenário transformador, e seria obtida por meio de reformas fiscais que evitassem uma trajetória explosiva da dívida pública e, futuramente, permitissem uma reversão da atual tendência de elevação”, descreve o governo no documento.

Relacionados:

► CNC afirma que a intenção de consumo subiu em outubro, mas resultado é o pior para o mês► ONU informa que investimento no Brasil caiu 48% no primeiro semestre

Leia mais: