clique para ir para a página principal

Tesouro Direto: é seguro emprestar dinheiro ao governo?

Atualizado em -

Tesouro Direto: é seguro emprestar dinheiro ao governo? Marcello Casal Jr. | Agência Brasil
► Tesouro informa que contas do governo registram déficit de R$ 76,1 bi em setembro► Brasil cria 313 mil vagas de emprego em setembro, melhor resultado para esse mês desde 1992

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional criado em 2002 e desenvolvido em parceria com a B3 para venda de títulos públicos federais para pessoas físicas. Na prática, quando você investe no Tesouro Direto, você está emprestando dinheiro ao governo.

Ao investir no Tesouro Direto você tem acesso a um investimento de renda fixa garantido pelo governo federal. No momento da aplicação você deve definir o valor que será aplicado ou a quantidade de títulos que deseja comprar. O sistema ajusta automaticamente o valor ou a quantidade de forma que seja respeitado o fracionamento dos títulos, já que as aplicações tradicionais no Tesouro Direto devem ser múltiplas de 0,01 título ou 1%.

Características

  • É possível fazer aplicações a partir de R$30;
  • A rentabilidade é diária;
  • Para investir, você só precisa ter um CPF ativo e uma conta corrente ou poupança em qualquer banco ou corretora financeira;
  • Toda a operação é 100% digital;
  • As aplicações e resgates devem ser feitos em dias úteis, das 9h30 às 18h.

Tipos de Títulos

Você pode escolher entre três tipos de títulos: prefixados, pós-fixados e híbridos.

Tesouro Prefixado (LTN)

Eles têm taxa de juros fixa, ou seja, você já sabe quanto vai receber assim que começa o investimento. São ideais para resgates a médio e longo prazos e te dão a segurança de saber o valor que vai resgatar no fim do prazo estabelecido.

Uma outra modalidade é o tesouro prefixado com juros semestrais (NTN-F), que paga duas vezes por ano o chamado cupom – juros devidos até aquela data.

text

Fonte: Tesouro Direto

Tesouro Selic (LFT)

São títulos pós-fixados que possuem rentabilidade atrelada à variação acumulada da taxa Selic efetiva diária somado, se houver, de ágio ou deságio no momento da compra. Costumam ser usados para reservas de emergência e o seu pagamento total acrescido dos juros é feito somente na data do resgate.

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela é definida em reuniões do Banco Central a cada 45 dias. No momento, ela está sendo mantida em 2,0% ao ano, após nove cortes seguidos feitos pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desde julho de 2019.

text

Fonte: Tesouro Direto

Tesouro ICPA+ (NTN-B Principal)

Esses títulos são considerados híbridos. Eles têm rentabilidade atrelada à inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mas também têm uma taxa prefixada de juros determinada no momento do investimento. Ou seja, você recebe a variação da inflação (imprevisível) mais os juros que você já conhece desde o início da aplicação.

Aqui, também há a possibilidade de Tesouro IPCA+ com juros semestrais (NTN-B). Nesse caso, duas vezes por ano, será pago o proporcional da remuneração combinada.

text

Fonte: Tesouro Direto

Taxas

No Tesouro Direto, existem duas taxas a serem pagas pelo investidor: uma definida pela instituição financeira e outra cobrada pela B3.

A taxa cobrada pela Instituição Financeira é livremente acordada com o investidor. O Tesouro Direto disponibiliza em seu site um ranking com as taxas cobradas por cada Instituição.

Já no caso da B3, é cobrada uma taxa de custódia de 0,25% a.a. sobre o valor dos títulos, referente aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações dos saldos. Desde agosto de 2020, o título Tesouro Selic passou a ser isento da taxa de custódia até o estoque de R$10 mil.

Juros

Todo investidor deve estar de olho nas taxas de juros aplicáveis ao seu investimento para calcular e maximizar seus resultados.

No caso dos títulos públicos, é importante saber que as taxas de juros podem ser influenciadas por três fatores principais: o prazo (quanto maior for o prazo, maior será a taxa de juros), as expectativas em relação à política monetária (variação da inflação, taxa Selic e decisões importantes do Copom), e o risco do ambiente econômico.

Falando especificamente sobre Tesouro Direto, cada título tem uma taxa de juros diferente.

Essas diferentes taxas, relacionadas aos diversos vencimentos dos títulos ao longo do tempo podem ser expressas graficamente por uma curva de juros.

É seguro?

Embora não exista nenhum investimento 100% seguro e sem riscos, emprestar dinheiro para o governo pode ser uma boa opção para quem quer começar a investir.

Considerando o histórico do Tesouro Direto, é possível afirmar que o governo sempre pagou seus credores e, por isso, há uma confiança maior em aplicar nesse tipo de investimento.

Em setembro deste ano, 289.943 novos participantes se cadastraram no Tesouro Direto. O número total de investidores cadastrados ao fim do mês atingiu 8.386.216, um aumento de 67,7% nos últimos doze meses.

text

Dados de setembro/2020. Fonte: Tesouro Nacional

No mesmo mês, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1.855,6 milhões. Já os resgates totalizaram R$ 2.024,1 milhões, relativos a recompras. O título mais demandado pelos investidores foi o indexado à Selic (Tesouro Selic), cuja participação nas vendas atingiu 39,9%. Os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) corresponderam a 35,4% do total e os prefixados, 24,7%.

text

Também em setembro, o estoque do Tesouro Direto alcançou um montante de R$ 61,5 bilhões, o que significa aumento de 0,4% em relação a agosto (R$ 61,2 bilhões) e aumento de 4,6% sobre setembro de 2019 (R$ 58,8 bilhões).

text

Relacionados:

► Tesouro informa que contas do governo registram déficit de R$ 76,1 bi em setembro► Brasil cria 313 mil vagas de emprego em setembro, melhor resultado para esse mês desde 1992

Leia mais: