clique para ir para a página principal

GOL tem prejuízo de R$ 1,69 bilhão no terceiro trimestre

Atualizado em -

GOL tem prejuízo de R$ 1,69 bilhão no terceiro trimestre Reprodução | Gol
► Gol amplia malha aérea e espera fechar outubro com 500 voos diários► Diretor-presidente da Anac diz que país não consegue liberar socorro para aéreas► Malha aérea brasileira chega a 50%, mas mercado internacional segue impactado pela Covid-19

A Gol Linhas Aéreas (GOLL4) registrou prejuízo líquido de R$ 1,69 bilhão no terceiro trimestre, segundo dados financeiros divulgados esta manhã. A perda, no entanto, é 15,1% menor do que a apurada no trimestre anterior (R$ 1,99 bilhão). O resultado se refere aos ganhos atribuídos aos acionistas, antes da participação minoritária.

Excluindo as perdas com variação cambial e monetária e despesas líquidas não recorrentes, o prejuízo foi de R$ 872 milhões. No mesmo período do ano passado, a companhia havia contabilizado lucro de R$ 263,5 milhões.

A receita líquida teve uma queda de 74% no período, chegando a R$ 975 milhões. O número, porém, representa uma expansão de 172% na comparação com o trimestre anterior.

Ainda de acordo com a companhia, o número de passageiros por quilômetro transportado foi de 3,2 milhões – queda de 72% na comparação com o mesmo intervalo de 2019 e uma alta de 63% em relação ao segundo trimestre deste ano. Em número absoluto de passageiros, foram transportados 2,6 milhões de clientes – queda de 73% em relação ao 3T de 2019 e alta de 300% na comparação com o 2T de 2020.

Paulo Kakinoff, presidente da companhia, disse, em nota, que, apesar do prejuízo, os resultados foram “promissores”, e “refletem o retorno de passageiros aos céus do Brasil”. Ainda segundo o executivo, o número de clientes da empresa triplicou em comparação aos três meses anteriores.

“Acreditamos que a companhia está agora em uma posição de mercado vantajosa, à medida que a demanda por viagens deve se acelerar continuamente em 2020 e 2021”, afirma Kakinoff.

Relacionados:

► Gol amplia malha aérea e espera fechar outubro com 500 voos diários► Diretor-presidente da Anac diz que país não consegue liberar socorro para aéreas► Malha aérea brasileira chega a 50%, mas mercado internacional segue impactado pela Covid-19

Leia mais: