clique para ir para a página principal

Como funciona um Day Trade e quais são os seus riscos e vantagens

Atualizado em -

Como funciona um Day Trade e quais são os seus riscos e vantagens Pixabay
► Anbima: Fundos Multimercados já contam com ganho líquido de R$ 89,41 bilhões em 2020► Campanha educativa da CVM atinge mais de 1,2 milhão de pessoas no Brasil

O day trade é o ato de comprar e vender algum ativo dentro de um mesmo pregão. Por ser uma operação de alto risco, muitas vezes de forma alavancada (quando o montante financeiro movimentado é superior ao seu patrimônio empenhado), há a necessidade de disponibilizar margens financeiras em garantia para possíveis perdas. Caso os prejuízos superem o valor dos ativos usados como garantia, a corretora ou banco irá cobrir e emitir uma nota de cobrança da diferença restante para o investidor.

Segundo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mais de 300 mil pessoas fizeram ao menos uma operação desse tipo em 2020 – um aumento de 50% em relação ao ano passado. As buscas pelo termo também cresceram no Google e a "profissão day trader" foi apontada em uma lista do Linkedin com uma das grandes carreiras do futuro. O aumento desse tipo de operação se explica em parte pela multiplicação de cursos e vídeos tutoriais no Youtube prometendo ganhos rápidos e imediatos.

Basicamente, o trader acompanha as oscilações diárias para apurar lucro. Na prática, compra ativos na baixa e vende na alta ou opera no “mercado futuro” de dólares, ganhando – e perdendo – com as variações diárias do valor da moeda. O valor ganho é baixo por cada ordem, mas pode compensar no volume. Um exemplo prático: Pela manhã o investidor compra um lote de ações no valor de R$ 10 cada uma. No fim do dia, as ações estão valendo R$ 15 e ele decide vender. Na operação, o lucro foi de R$ 5 por cada unidade ou ativo.

Os tipos de investimento mais comuns para quem usa essa estratégia são os chamados minicontratos. Funcionam, por exemplo, para quem compra moeda estrangeira e opera nas oscilações diárias ou em variações por um determinado período de tempo.

Outro tipo de minicontrato são os Mini-Índice de Ibovespa, que equivalem a 20% de um contrato futuro cheio do IBOV. No final do contrato são contabilizados quantos pontos o Ibovespa subiu ou caiu e multiplicado o número por 0,20 (relativo a cada minicontrato). Ou seja, se o Ibovespa subir 100 pontos, o investidor vai ganhar R$ 20 por cada Mini-Índice. E se cair os mesmos 100 pontos, vai perder R$ 20.

Vantagens, desvantagens e riscos

A maior vantagem do day trade é a alavancagem, que permite investimentos sem que haja praticamente nenhum desembolso imediato. Outra vantagem é que você pode usar investimentos em renda fixa como CDB ou Tesouro Direto como garantia para pagamento de dívidas. Além disso, é possível ganhar com a queda de ações – basta que você venda as ações em alta e recompre essas mesmas ações na baixa. A liquidez é quase diária para saque - geralmente o dinheiro fica disponível no dia útil seguinte.

A principal desvantagem, como já dito anteriormente, é o risco de grandes perdas. Outra desvantagem é a necessidade de acompanhamento durante todo o horário de funcionamento do pregão. É preciso ficar ligado na plataforma para poder identificar a melhor hora de executar uma compra ou uma venda dos papéis.

Como iniciativa educativa sobre o tema, o portal da CVM também lançou uma publicação gratuita sobre Day Trade para investidores.

No material disponível é possível ter mais informações explicativas sobre o que é a modalidade, o seu funcionamento, custos e como cuidar do gerenciamento de riscos, por exemplo.

Entre os temas abordados estão:

  • Diferenças entre Day Trade no Mercado à Vista e no Mercado de Derivativos.
  • Vieses comportamentais.
  • Pesquisa FGV: é possível viver de daytrading?
  • Pontos de atenção antes de investir em Day Trade.

Glossário

Alavancagem: O crédito que a instituição financeira disponibiliza para o investidor operar um valor muito maior do que o que ele, de fato, investiu.

Zerar posição: É quando o trader vende o mesmo número de ativos que foram comprados.

Stop Loss e Stop Gain: São travas configuradas pelo trader para informar o quanto ele está disposto a perder (Stop Loss) e o ganho que deseja alcançar (Stop Gain). Ao atingir esses limites, os ativos negociados são automaticamente vendidos - parando o prejuízo ou o ganho através do que foi pré-definido.

Zeragem automática: É quando a instituição financeira encerra a operação por perdas expressivas além da margem de garantia. Quando acontece, a corretora ou o banco cobram a perda extra e uma taxa de serviço.

Relacionados:

► Anbima: Fundos Multimercados já contam com ganho líquido de R$ 89,41 bilhões em 2020► Campanha educativa da CVM atinge mais de 1,2 milhão de pessoas no Brasil

Leia mais: