clique para ir para a página principal

Fintech se torna a primeira empresa a aceitar Bitcoins como garantia para empréstimos no Brasil

Atualizado em -

Fintech se torna a primeira empresa a aceitar Bitcoins como garantia para empréstimos no Brasil Pixabay
► Saiba o que é o Bitcoin e como funciona uma criptomoeda► Pagamentos por aproximação aumentaram 330% no Brasil no primeiro semestre de 2020

A fintech brasileira Rispar se tornou a primeira empresa a oferecer o uso de Bitcoins como garantia de crédito em Reais para investidores brasileiros. O anúncio foi veiculado nesta segunda-feira (16) pelo fundador e CEO da empresa, Rafael Izidoro. O novo modelo é regulamentado pelo Banco Central.

As taxas de empréstimo podem variar entre 0,99% e 3,79% ao mês, dependendo do volume emprestado e do tamanho da garantia. O crédito pode ser de até 60% do valor das moedas oferecidas pelo cliente.

De acordo com a fintech, os empréstimos podem variar entre R$ 500 e R$ 300 mil aos clientes que aceitarem dar suas criptomoedas como garantia. A modalidade funciona da mesma maneira que outras formas de empréstimo com garantia – como a que usa imóveis ou carros, por exemplo – e a moeda virtual é usada para reduzir os juros do contrato.

"Hoje começa um novo ciclo para o cenário de criptomoeda nacional. Após quase 1 ano em desenvolvimento, lançamos oficialmente a primeira plataforma de crédito com garantia em Bitcoin do Brasil, a Rispar. O momento não podia ser melhor", escreveu Rafael Izidoro, em sua página no Linkedin.

Primeiramente, a companhia aceitará apenas bitcoins nos contratos e a meta é movimentar de R$ 80 milhões a R$ 100 milhões já no primeiro ano de operação. Todo o processo da negociação pode ser feita online, diretamente pelo celular.

Enquanto o contrato estiver sendo quitado, os bitcoins ficarão custodiados na BitGo, empresa californiana que é uma das referências nessa indústria. A garantia só será executada se o tomador de empréstimo atrasar por mais de seis meses o pagamento de suas parcelas. Poderá haver uma "chamada de margem" exigindo que o cliente complemente suas garantias, caso o Bitcoin perca muito valor durante a vigência do contrato.

Relacionados:

► Saiba o que é o Bitcoin e como funciona uma criptomoeda► Pagamentos por aproximação aumentaram 330% no Brasil no primeiro semestre de 2020

Leia mais: