clique para ir para a página principal

Bolsas europeias reagem a veto de países a acordo da UE

Atualizado em -

Bolsas europeias reagem a veto de países a acordo da UE Pixabay
► Ibovespa atinge maior patamar desde março, encerrando o dia em alta de 1,63% aos 106.429 pontos► Fintech se torna a primeira empresa a aceitar Bitcoins como garantia para empréstimos no Brasil

As bolsas europeias e o índice futuro do S&P abriram a terça-feira em leve retração. O primeiro indicou queda de 0,5% e a Europa opera com variação negativa de 0,36%. Ontem, o Ibovespa fechou o dia em alta de 1,63%, aos 106.430 pontos, impulsionado pelo crescimento de 6,9% da produção industrial chinesa pelas notícias sobre a vacina da farmacêutica Moderna, que parece ter mais de 94% de eficácia contra o coronavírus.

Sobre os números europeus, a Hungria e Polônia vetaram a aprovação pelos governos da União Europeia que reúne o orçamento para o período de 2021 a 2027, além da verba do fundo de recuperação da União Europeia. Para que o pacote seja aprovado, é necessário apoio unânime, e veto dos governos de Polônia e Hungria deve atrasar a liberação de recursos no valor de 1,8 trilhão de euros.

Na esfera econômica americana, hoje serão divulgados produção industrial e vendas no varejo de outubro. No Brasil, às 5h, a Fipe divulgou seu índice de inflação IPC Fipe-Semanal, indicando alta de 1,12% na inflação na segunda quadrissemana de novembro.

Entre as commodities, os contratos futuros do minério de ferro fecharam em alta de 2,64%, enquanto o petróleo Brent opera em queda de 0,27%, cotado a US$ 43,70.

No cenário corporativo, a Notre Dame Intermédica registrou lucro líquido de R$ 196,8 milhões no terceiro trimestre de 2020, alta de 97,4% sobre o mesmo período do ano passado. O número de beneficiários nos planos de saúde da empresa cresceu em 87,3 mil, sendo 46,6 mil novos beneficiários e 40,8 mil oriundos da aquisição do Hospital Santa Mônica.

Relacionados:

► Ibovespa atinge maior patamar desde março, encerrando o dia em alta de 1,63% aos 106.429 pontos► Fintech se torna a primeira empresa a aceitar Bitcoins como garantia para empréstimos no Brasil

Leia mais: