clique para ir para a página principal

Como migrar seus ativos para outra instituição financeira?

Atualizado em -

Como migrar seus ativos para outra instituição financeira? Pixabay
► Impulsionada por entrada de novos investidores, B3 tem lucro de R$ 1,1 bi no trimestre► Presidente do BC afirma que PIX irá estimular o crescimento das fintechs sem prejudicar bancos tradicionais

Seja para buscar um melhor serviço, uma assessoria de investimento mais qualificada ou para reduzir os custos de corretagem, alguns investidores podem, eventualmente, realizar a transferência de custódia de seus ativos (tal como, ações ou fundos de investimento). Após finalizar o processo, o cliente passa a acessar seus investimentos em outra corretora.

Migrar de uma instituição bancária para uma corretora de valores, por exemplo, pode trazer vantagens como:

  • ter um melhor atendimento;
  • contar com custos mais baixos;
  • receber um serviço mais qualificado;
  • ter acesso a um leque maior de opções de investimentos.

Se você pensa na trabalheira que pode dar vender todos os seus ativos em um banco, sacar o dinheiro e depois aplicar de novo em uma corretora, por exemplo, tenha calma. Esse não é o único caminho possível para trocar de instituição financeira.

É possível dar andamento a uma transferência de custódia preenchendo a Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários (STVM). Cada instituição pode ter suas particularidades na STVM. No entanto, costuma ser um processo simples, rápido e não há nenhuma cobrança de taxas pela mudança.

Ao tomar a decisão de escolha de qual instituição irá alocar os seus ativos, é importante o investidor avaliar também a taxa de corretagem cobrada. Alguns dos principais bancos do país costumam cobrar até R$ 20 por ordem de negociação, no caso de compra e venda de ações.

Já em algumas outras instituições financeiras, essa taxa de corretagem pode ser variável e tem como base o valor da ordem.

Acompanhe, a seguir, os principais passos para fazer a transferência de custódia sem custo:

1. Abrir conta na instituição cessionária A instituição cessionária é aquela que vai receber os ativos da cedente. Logo, antes de fazer o pedido de transferência é preciso abrir a conta na nova instituição que receberá os ativos por transferência.

2. Preencher formulário O formulário que deve ser preenchido é o de Solicitação de Transferência de Valores Mobiliários, a ser fornecido pela instituição que receberá. Nessa ficha, será preciso indicar dados pessoais, bancários e descrever os ativos que serão transferidos.

3. Reconhecer firma Após preenchida a solicitação, será necessário que o investidor leve o documento até um cartório e reconheça firma de sua assinatura. Esse processo visa garantir a segurança na operação de transferir ações e outros valores mobiliários.

4. Solicitar transferência Por fim, com o formulário preenchido e autenticado, basta entrar em contato com a instituição cedente para enviar esse documento e então solicitar a transferência para a nova. Essa mudança de custódia dos ativos normalmente acontece em até quatro dias úteis, dependendo da instituição.

É importante ressaltar que não há cobrança de imposto de renda e nem de corretagem, já que o investidor não está se desfazendo das ações. Além disso, dividendos e juros sobre capital próprio que já tenham sido pagos pelas empresas em que investe não são transferidos automaticamente para a nova corretora — a sua transferência também deverá ser solicitada.

OBS: No caso dos ativos a serem transferidos estarem sob custódia de bancos ou empresas escrituradoras, o processo é mais complexo. Nesta situação será necessário o preenchimento de uma Ordem de Transferência de Ações (OTA).

A operação com OTA é mais demorada e pode levar até três semanas. Nesse processo, é necessário que o investidor preencha uma OTA para cada ativo que será transferido em 3 vias autenticadas.

Clique aqui e baixe gratuitamente nosso ebook sobre fundos de investimentos

Relacionados:

► Impulsionada por entrada de novos investidores, B3 tem lucro de R$ 1,1 bi no trimestre► Presidente do BC afirma que PIX irá estimular o crescimento das fintechs sem prejudicar bancos tradicionais

Leia mais: