clique para ir para a página principal

Emprego cresce na indústria com atividade do setor aquecida, informa CNI

Atualizado em -

Emprego cresce na indústria com atividade do setor aquecida, informa CNI Pixabay
► PagSeguro tem queda anual de 23,1% e fecha trimestre com lucro de R$ 263,4 milhões► FGV: PIB cresce 7,5% no trimestre; no ano retração é 4,4%

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou nesta quinta-feira (19) que as atividades e as contratações na indústria tiveram nova alta em outubro. Conforme a Sondagem Industrial, a produção industrial aumentou pelo quinto mês consecutivo. O índice de evolução da produção atingiu 58,3 pontos no mês passado. Já o emprego cresceu pelo terceiro mês seguido: o índice de evolução do número de empregados ficou em 54,9 pontos. Os índices variam de zero a cem e indicadores acima dos 50 pontos sinalizam aumento da produção e do emprego em relação ao mês anterior.

A utilização da capacidade instalada (UCI) média teve alta pelo sexto mês consecutivo e ficou em 74% em outubro, dois pontos percentuais acima do registrado em setembro. A Sondagem revela ainda que a UCI foi maior do que o usual para o mês de outubro, pois o índice de UCI efetivo em relação ao usual ficou acima da linha divisória de 50 pontos, ao atingir 51,1 pontos.

text

Fonte: CNI

Mesmo com as seguidas altas na produção, os estoques continuaram em queda e abaixo do desejado pela indústria. Enquanto o indicador de nível de estoques marcou 45,5 pontos, o de estoque efetivo ficou em 43,4 pontos, ambos abaixo dos 50 pontos.

“Os estoques baixos sinalizam uma necessidade de continuar um nível de produção mais forte”, destaca o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Apesar de todos os índices de expectativa recuarem em novembro, pelo segundo mês consecutivo, o otimismo dos empresários para os próximos seis meses continua elevado. No documento, a CNI explica que a queda dos indicadores se deve possivelmente a uma acomodação após a rápida recuperação dos efeitos da pandemia.

Os índices permanecem em patamares elevados, não só da linha divisória de 50 pontos como de suas respectivas médias históricas”, assinala a Confederação.

O índice de expectativa para a demanda caiu 1,8 ponto, para 59,8 pontos em novembro. Em relação às compras de matérias-primas, a queda foi de 2 pontos no indicador, que registrou 58 pontos neste mês. Já o índice de número de empregados recuou 0,9 ponto, para 53,5 pontos, e o de exportação também caiu 0,9 ponto, para 53,9 pontos.

A otimismo em alta reflete-se na intenção dos empresários investirem, cujo indicador cresceu pelo sétimo mês consecutivo e já alcançou os níveis registrados antes da pandemia, com 59,3 pontos registrados em novembro. O índice aumentou 2,1 pontos frente a outubro e acumula alta de 22,6 pontos na comparação com abril.

A Sondagem Industrial ouviu 1.870 empresas entre 3 e 12 de novembro. Dessas, 738 são pequenas, 647 médias e 485 grandes indústrias.

Relacionados:

► PagSeguro tem queda anual de 23,1% e fecha trimestre com lucro de R$ 263,4 milhões► FGV: PIB cresce 7,5% no trimestre; no ano retração é 4,4%

Leia mais: