clique para ir para a página principal

GOL anuncia crescimento na oferta de voos e aguarda volta do 737 Max

Atualizado em -

GOL anuncia crescimento na oferta de voos e aguarda volta do 737 Max Divulgação | GOL
► Cade aprova venda da Liquigás, mas com exigências para diminuir concentração do mercado de GLP► Fitch reafirma rating "BB-" para o Brasil e alerta para deterioração fiscal

A companhia aérea GOL (GOLL4) anunciou nesta quarta-feira (18) que aumentou a sua oferta de voos diários em 34% no mês de outubro na comparação com o mês de setembro. Em comunicado de atualização ao investidor, a empresa destacou que manteve o aumento contínuo dos voos após o salto nas vendas verificado no período de inverno.

“Esperamos que as vendas cresçam novamente este mês em antecipação a uma movimentada temporada de verão, e prevemos terminar o ano operando todos os destinos atendidos no pré pandemia", informa Paulo Kakinoff, Diretor Presidente da GOL.

A companhia também citou uma possível volta às operações do Boeing 737 Max e enfatizou que a aeronave aumentará as economias de custo, uma vez que consomem 15% menos combustível. Embora continue proibido de voar no Brasil, o 737 Max deve ser liberado em breve por aqui. Nos Estados Unidos, a FAA (Administração Federal de Aviação) autorizou nesta quarta (18) a retomada dos voos com a aeronave. O Boeing 737 Max foi proibido de voar há 20 meses após dois acidentes que mataram 346 pessoas na Indonésia e na Etiópia.

A GOL informou que o mês de outubro foi marcado pelo crescimento de 38% na busca por passagens aéreas, em comparação com a média nos indicadores de busca observada no terceiro trimestre de 2020. Nesse ritmo, a Companhia registrou um aumento de 25% nas vendas em todos os seus canais de comercialização. A empresa encerrou o mês com aproximadamente R$2,2 bilhões em liquidez total. Incluindo os valores financiáveis de depósitos e ativos não onerados, as fontes potenciais de liquidez da GOL totalizam aproximadamente R$6 bilhões.

Relacionados:

► Cade aprova venda da Liquigás, mas com exigências para diminuir concentração do mercado de GLP► Fitch reafirma rating "BB-" para o Brasil e alerta para deterioração fiscal

Leia mais: