clique para ir para a página principal

Huawei pede que decisão sobre 5G "seja técnica e não discriminatória" em reunião com Paulo Guedes

Atualizado em -

Huawei pede que decisão sobre 5G "seja técnica e não discriminatória" em reunião com Paulo Guedes Shutterstock
► Governo dos EUA estende em 15 dias prazo para TikTok achar comprador americano► Previsão de déficit primário em 2020 cai para R$ 844,57 bilhões, informa Ministério da Economia

Em reunião virtual com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta sexta-feira (20), representantes da companhia Huawei pediram que as decisões sobre a realização do leilão de frequências 5G no Brasil sejam feitas de maneira "estritamente técnica, não discriminatória e em favor do livre mercado".

"Seguimos os mais altos padrões internacionais de cibersegurança nos mais de 170 países em que atuamos, respeitamos e cumprimos com as leis locais. Já realizamos testes da 5G com todas as operadoras nacionais, colaborando para a chegada da tecnologia ao país", disse a empresa chinesa.

Apesar de não existir nenhuma decisão sobre o vencedor do leilão, a preocupação dos executivos da Huawei se dão devido ao apoio do governo brasileiro à Clean Network (Rede Limpa), programa dos Estados Unidos que limita o avanço de empresas chinesas na instalação dessa nova tecnologia. A adesão à iniciativa foi feita no âmbito de uma parceria trilateral entre Brasil, EUA e Japão.

Um dos maiores críticos à tecnologia chinesa é o atual presidente do Estados Unidos Donald Trump, que perdeu recentemente a eleição para Joe Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama. Apesar da troca de comando no país norte-americano, o governo brasileiro acredita que as restrições a Pequim continuarão. O argumento é que as empresas de tecnologia do país asiático estariam a serviço do Partido Comunista com o intuito de furtar informações estratégicas de outros países.

Relacionados:

► Governo dos EUA estende em 15 dias prazo para TikTok achar comprador americano► Previsão de déficit primário em 2020 cai para R$ 844,57 bilhões, informa Ministério da Economia

Leia mais: