clique para ir para a página principal

OMC aponta recuperação no comércio global, mas avalia possível desaceleração no fim do ano

Atualizado em -

OMC aponta recuperação no comércio global, mas avalia possível desaceleração no fim do ano Pixabay
► Emprego cresce na indústria com atividade do setor aquecida, informa CNI► CNC divulga que confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro

A Organização Mundial do Comércio (OMC) reportou nesta sexta-feira (20) que o comércio global de bens se recuperou no terceiro trimestre em relação aos lockdowns provocados pela Covid-19. No entanto, a organização previu uma desaceleração no final de 2020.

"A incerteza relacionada ao comércio continua alta. Uma segunda onda de infecção COVID-19 já está em andamento na Europa e na América do Norte, levando a novos bloqueios que podem desencadear outra rodada de fechamentos de empresas e dificuldades financeiras", aponta a OMC, em relatório divulgado.

De acordo com a OMC, a leitura atual do Barômetro de Comércio de Bens de 100,7 marca uma melhora dramática em relação aos 84,5 registrados em agosto passado, impulsionado por um aumento nas encomendas de exportação. Uma leitura maior que 100 indica crescimento acima da tendência.

Os barômetros comerciais fornecem uma prévia das tendências nas estatísticas comerciais da OMC, que podem ser baixadas em data.wto.org.

Os indicadores atuais apontam para uma recuperação estagnada dos voos internacionais e embarque de contêineres em outubro, mas o sentimento econômico melhorou, conforme refletido pelos futuros do cobre, por exemplo.

Os gráficos e dados a seguir são fornecidos pela OMC para ajudar os leitores a compreender melhor o contexto econômico atual:

Gráfico 1: voos comerciais internacionais, 1 de janeiro de 2020 - 31 de outubro de 2020

gráfico voos Fonte: Cálculos da Rede OpenSky e do Secretariado da OMC.

O Gráfico 1 mostra a quantidade de voos internacionais por dia registrados pela Rede OpenSky desde o início de 2020, incluindo voos de passageiros e de carga. Os voos caíram quase 80% entre o final de fevereiro e meados de abril, mas voltaram para cerca de 50% do seu nível no início do ano em meados de agosto. Desde então, o total de voos estagnou e os voos intra-UE diminuíram, diminuindo cerca de 30% entre 20 de setembro e 31 de outubro, refletindo o recente ressurgimento do COVID-19 na Europa.

Gráfico 2: Número de escalas diárias de navios porta-contêineres, 1 de janeiro de 2020 - 11 de novembro de 2020

porta-navios_conteiners Fonte: Cerdeiro, Komaromi, Liu e Saeed (2020). Disponível em UN Comtrade Monitor.

O Gráfico 2 mostra a quantidade de escalas diárias de navios porta-contêineres desde o início de 2020 registradas pelo Sistema de Identificação Automática (AIS) desenvolvido pela Organização Marítima Internacional. As escalas no porto AIS caíram em fevereiro, quando COVID-19 já atingiu fortemente a China antes de se recuperar em março. Uma queda mais prolongada foi registrada em abril e maio, quando países ao redor do mundo impuseram bloqueios em resposta à agora pandemia global. As escalas nos portos voltaram ao seu nível no início do ano, no final de julho, mas desde então estagnaram. Embora permaneçam estáveis, pelo menos não mostram sinais de uma nova desaceleração a partir de 14 de outubro.

Gráfico 3: Futuros de cobre de alto grau COMEX, 11 de novembro de 2019 - 11 de novembro de 2020

Futuro de cobre Fonte: Chicago Mercantile Exchange.

Os preços dos contratos futuros de cobre são um indicador antecedente da atividade econômica amplamente reconhecido devido à importância deste metal em muitas áreas de manufatura. Os contratos padronizados são negociados na COMEX Exchange, uma divisão da Chicago Mercantile Exchange (CME). Os preços futuros do cobre caíram 24% entre 15 de fevereiro e 20 de março, mas subiram continuamente desde então, subindo 44% até 10 de novembro, incluindo um salto de 10% desde o início de outubro. Isso sugere um alto grau de confiança econômica, apesar do recente ressurgimento do COVID-19.

Relacionados:

► Emprego cresce na indústria com atividade do setor aquecida, informa CNI► CNC divulga que confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro

Leia mais: