clique para ir para a página principal

Previsão de déficit primário em 2020 cai para R$ 844,57 bilhões, informa Ministério da Economia

Atualizado em -

Previsão de déficit primário em 2020 cai para R$ 844,57 bilhões, informa Ministério da Economia Marcelo Casal Jr/Agência Brasil
► OMC aponta recuperação no comércio global, mas avalia possível desaceleração no fim do ano► "Se um imposto for criado, será porque destruímos outros oito, nove ou dez", diz Guedes

O Ministério da Economia divulgou nesta sexta-feira (20) que as contas do governo federal devem registrar déficit primário de R$ 844,5 bilhões neste ano. No relatório anterior, divulgado no fim de setembro, a pasta previa que o rombo nas contas públicas ficaria em R$ 861 bilhões.

Em relação às estimativas para a economia, o relatório manteve os números referentes às projeções divulgadas há três dias. A previsão de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) ficou em 4,5%. A estimativa está mais otimista que a das instituições financeiras, que preveem contração de 4,66% no PIB, segundo a última versão do boletim Focus, pesquisa semanal divulgada pelo Banco Central.

Para o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, a queda do PIB este ano não será “tão intensa” quanto esperado no início da crise.

De acordo com o ministério, o novo relatório leva em conta a alta da inflação causada pelos preços dos alimentos. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano, usado como índice oficial de inflação, subiu de 1,83% para 3,13% neste ano.

Já a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), usado para corrigir o salário mínimo, passou de 2,35% para 4,1%. Esses números também tinham sido divulgados na última terça-feira (17).

Waldery Rodrigues afirmou ainda que os dados divulgados pelo relatório apontaram folga no teto de gastos de cerca de R$ 3,23 bilhões. Com a redução das despesas obrigatórias, a folga subiria para R$ 18,56 bilhões, mas uma série de acórdãos com o Tribunal de Contas da União (TCU) obrigou o governo a deixar de custear alguns gastos por meio dos créditos extraordinários relacionados ao enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Relacionados:

► OMC aponta recuperação no comércio global, mas avalia possível desaceleração no fim do ano► "Se um imposto for criado, será porque destruímos outros oito, nove ou dez", diz Guedes

Leia mais: