clique para ir para a página principal

Do zero ao topo: como Jack Ma e Jeff Bezos dominaram o comércio eletrônico mundial

Atualizado em -

Do zero ao topo: como Jack Ma e Jeff Bezos dominaram o comércio eletrônico mundial Reuters/Richard Brian e Bloomberg
► Pandemia, dólar alto e inflação não impedem crescimento recorde do e-commerce► E-commerce deve fazer com que Black Friday tenha faturamento recorde de R$ 3,74 bi, estima CNC

Você já deve ter comprado ou pelo menos recebido anúncio do site de compras chinês AliExpress em que é possível encontrar de tudo por um preço que faz saltar os olhos. Também já deve ter entrado no site da Amazon para realizar uma compra ou já deve ter ouvido falar no dono, o homem mais rico do mundo, o bilionário Jeff Bezos. No entanto, você sabe como essas empresas começaram, como elas se tornaram tão grandes e dominantes no e-commerce mundial e quem está por trás do sucesso delas?

Alibaba

A história do Grupo Alibaba (NYSE: BABA), responsável pelo portal C2C Taobao, o serviço de pagamento Alipay e outros sites, como o Aliexpress, começa em 1999, quando 18 pessoas lideradas por Jack Ma (mais a frente falaremos dele), fundaram o Alibaba.com e o 1688.com., sites de comércio eletrônico. Já no nascimento da companhia veio o primeiro financiamento de US$ 5 milhões de um grupo de investidores. Em um ano de empresa, foi a vez do Softbank, corporação multinacional japonesa e um dos fundos mais respeitados no mundo, investir no projeto.

No ano 2000, a empresa levantou US$ 25 milhões e em 2001 atingiu 1 milhão de usuários registrados. Em 2003, a China enfrentou graves problemas com o SARS, patologia causada pelo SARS-coronavírus causadora da síndrome respiratória aguda grave. Entretanto, essa foi a época de maior crescimento do Alibaba e a explicação para este fenômeno está clara: internet de alta velocidade. O período coincide com o momento em que a internet se popularizava e, enquanto a população estava com medo de sair de casa, o e-commerce acabou se tornando a alternativa mais confiável. Durante este período, foi fundado o site Taobao. Para intuito de comparação, o site funciona como uma espécie de Mercado Livre chinês em que é possível comprar qualquer coisa, como alimentos, carros, casas, eletrônicos e outros.

O Taobao, no entanto, enfrentava alguns problemas na China. O primeiro deles foi a chegada da plataforma rival, o Ebay, durante o mesmo período. Um outro problema era facilitar com segurança a forma de pagamentos nas negociações B2C e C2C. O resultado disto foi a criação da plataforma de pagamento Alipay, um serviço simples, porém revolucionário para o país, pois detinha os pagamentos feitos até o comprador confirmar que estava satisfeito com a compra. Mais tarde esse se tornaria o Ant Group, fintech mais valiosa do mundo. Utilizado pelo celular nos dias de hoje, o serviço, com o nome de Zhifubao, dominou a forma de pagamento dos chineses e está presente em praticamente todos os estabelecimentos na China, sendo tão popular quanto o dinheiro. Basta escanear o código QR para realizar uma compra.

alibaba, pagamento, china, alipay, crédito: Forbes

Atualmente o Taobao é o maior site de e-commerce do mundo e o sétimo mais visitado e em 2013, o Alipay passou o Paypal e se tornou a maior plataforma de pagamento do mundo. Ah, o Ebay? Bom, o Ebay fechou as portas da filial chinesa por não conseguir competir. O AliExpress, conhecidíssimo pelos brasileiros, foi fundado somente em 2010, com vendedores chineses enviando para todo o mundo, exceto a China. Enquanto o Taobao tem foco no atacado e varejo para pessoas físicas e empresas na própria China, o AliExpress leva este foco para o público internacional, já o Alibaba é responsável pelo B2B por atacado internacional.

Em 2014, o Alibaba fez a oferta pública de ações (IPO) em Nova York, sendo uma das maiores da história, arrecadando US$ 25 bilhões. Agora em 2020, o Ant Group, planejava abrir um IPO que poderia movimentar até US$ 34 bilhões, se tornando a maior operação do tipo no mundo, que foi suspenso dois dias antes de acontecer por questões de instabilidade financeira.

Amazon

A Amazon (NASDAQ: AMZN), conhecida nos dias de hoje como um dos maiores sites de varejo do mundo, foi fundada em 1994 como uma livraria online com sede na garagem de Jeff Bezos em Seattle, EUA. Na época, os pedidos eram todos feitos pela internet, o que já era algo inovador, por isso, muitos tratam a companhia como a pioneira no modelo de negócio de vendas online.

Através de parcerias com atacadistas e distribuidoras, a companhia tinha um grande catálogo disponível. Os livros foram escolhidos como produtos por terem preços mais acessíveis, e o próprio Jeff Bezos com seus primeiros funcionários empacotavam-os e iam até o correio para envia-los. Toda vez que alguém fazia uma compra, um sino tocava no escritório, logo logo o sino não parava de tocar, e três meses após o lançamento, a Amazon vendia 100 livros por dia, um ano depois, 100 livros por hora. O primeiro investimento na empresa foi feito por Nick Hanauer no valor de US$ 40 mil.

Em 1997, a Amazon possuía mais de 2,5 milhões de livros no catálogo e US$ 148 milhões em vendas. Neste mesmo ano, a empresa se tornou pública com ações que inicialmente custavam US$ 18 (em comparação, o valor da ação hoje é de US$ 3.108). Em 1998, a companhia começou a vender música e vídeos, além de operar internacionalmente. No ano seguinte, a Amazon já vendia eletrônicos, softwares, jogos, brinquedos, e muitos outros.

O ano de 2000 foi decisivo para a companhia por dois motivos. O primeiro deles foi a queda de bolsa de Nova York causada por investimentos altos e reais nas empresas online. As ações a Amazon, por exemplo, caíram de US$ 100 para US$ 6. O segundo motivo foi o lançamento do Marketplace, no qual a empresa faz a venda de itens de terceiros. Lojas menores anunciavam no site da Amazon e pagavam uma taxa. A inovação e a pesistência fizeram com que a empresa superasse o período de dificuldades e o primeiro saldo positivo chegaria em 2001.

caixa, amazon, crédito: Getty Images

Em 2005, a empresa lança o serviço Amazon Prime com o objetivo de diminuir prazo de entrega e trazer ofertas exclusivas. Logo em seguida, a assinatura englobaria também o serviço de streaming de filmes e séries. A Amazon Web Services, plataforma de serviços de computação em nuvem, foi lançada em 2006 como um provedor de serviços online para websites. Já o e-reader mais famoso do mercado, Kindle, que no começo chamava-se Fiona, entrou em planejamento em 2004, sendo lançado em 2007.

Para concorrer com os serviços de assistente pessoal Siri e Cortana, a Amazon anunciou o Echo, dispositivo inteligente que vem equipado com a Alexa, em novembro de 2014. A Amazon foi a segunda empresa do mundo a atingir US$ 1 bilhão em valor de mercado no ano de 2018, com a primeira sendo a Apple. Em 2019 a companhia se tornou a empresa mais valiosa do mundo, ultrapassando a Microsoft.

Ma vs Bezos

Jack Ma, cujo nome é Ma Yun, nasceu em 1964 em Hanchegou, China. Atualmente dono de uma fortuna de US$ 60,8 bilhões e homem mais rico da China (17º bilionário do mundo, segundo a Forbes), Ma começou a estudar inglês na infância e acompanhava turistas de maneira gratuita pela cidade para aperfeiçoar o idioma.

Jack Ma na capa da Forbes

O empresário, que levou sete anos para completar o ensino fundamental, tentou entrar em Harvard 10 vezes, todas recusadas, acabou cursando inglês na Universidade Normal de Hangzhou. Jack Ma conta que teve seu currículo recusado mais de 30 vezes, inclusive para um cargo na rede de frango frito KFC. Ele se tornou então professor de inglês.

Em uma viagem como tradutor para os Estados Unidos em 1994, ele ouviu falar sobre a internet. Voltando para a China, decidiu criar um site com informações sobre o país e logo em seguida recebeu e-mail de investidores que queriam conhecê-lo. No ano seguinte, juntamente com a sua esposa, conseguiu levantar fundos e criou uma empresa especializada em produzir sites para grupos chineses que foi vendida posteriormente por US$ 185 mil. O Alibaba, companhia responsável pelo seu patrimônio, surgiu em 1999, após Ma se demitir de um emprego no Ministério do Comércio Exterior na China.

Ele foi presidente da holding Alibaba Group, que engloba o AliExpress, Alipay, eTao, Alibaba.com, Taobao Marketplace, Tmall, Alibaba Cloud Computing, Juhuasuan e 1688.com. Em 2019 ele deixou o cargo, mas mantém um assento permanente no conselho da empresa.

Em 2017, a revista Fortune, dos Estados Unidos, o colocou na segunda posição entre os 50 maiores líderes mundiais. De acordo com a Forbes, é uma das pessoas mais influentes do mundo.

Jeff Bezos, homem mais rico do mundo, com um patrimônio de US$ 182,4 bilhões, nasceu em Novo México, nos Estados Unidos. Ele é formado em engenharia elétrica e ciência da computação pela Universidade de Princeton.

Jeff Bezos na capa da Times

A carreira do bilionário americano começou em 1986 trabalhando na área de informática no Walmart. Em seguida, ele trabalhou na construção de uma rede de comércio internacional, foi gerente de produto na Bankers Trust, uma organização bancária americana, e também se tornou vice-presidente sênior do fundo multimercado D. E. Shaw & Co com 30 anos.

Uma decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos foi responsável por facilitar a criação da companhia que seria responsável pelo seu sucesso: empresas de pedidos por correspondência estavam isentas de pagar impostos sobre vendas nos estados onde não tinham sede física. Assim, com uma ajuda de US$ 246 mil dos pais, Bezos começou a Amazon em sua garagem. Em 1999 ele foi eleito Person Of the Year, se tornando capa da revista Times.

Nos anos 2000, o empresário americano fundou a Blue Origin, companhia focada na comercialização de viagens ao espaço, além de ter sido um dos primeiros acionistas do Google. Em 2013 ele comprou o The Washington Post, e em 2017, ele expandiu seus negócios e comprou a rede varejista de alimentos Whole Foods Market por US$ 13,7 bilhões.

Amazon vs Alibaba em números

Na briga entre as duas gigantes do comércio eletrônico, o analista e economista americano, Panos Mourdoukoutas, afirma que o modelo de negócios do gigante chinês é mais lucrativo pela forma como as companhias monetizam o serviço. Enquanto a Amazon coloca a economia de custo do Walmart online, criando uma varejista baseada em um modelo de alto volume e baixo custo, o Alibaba traz o empreendedorismo coletivo online, usando uma rede que transforma os fornecedores que disponibilizam os produtos no site em empreendedores.

Nos três últimos anos, o Alibaba ficou atrás da Amazon no rendimento total. Em 2017, a empresa chinesa registrou US$ 23,03 bilhões, enquanto a Amazon registrou US$ 117,87 bilhões. No ano de 2018, o resultado foi de US$ 39,90 bilhões contra US$ 232,89 bilhões, e US$ 56,1 bilhões contra US$ 280,52 bilhões, em 2019. Em resultado líquido, no entanto, a companhia chinesa sai na frente. Em 2017, seu resultado foi de US$ 6,35 bilhões contra US$ 3,03 bilhões da Amazon. Em 2018, ficou em US$ 10,20 billhões contra US$ 10,07 bilhões e, em 2019, a comparação ficou em US$ 13,05 bilhões contra US$ 11,59 bilhões.

comparação amazon e alibaba rendimento total em 2017, 2018 e 2019

No começo de 2020, o Alibaba reportou que ultrapassou US$ 1 trilhão em volume bruto de mercadorias pela primeira vez. Enquanto a receita nos 12 meses encerrados em 31 de março chegou a US$ 72 bilhões, e o lucro operacional cresceu 60%, para US$ 12,9 bilhões. A empresa possui 118 mil funcionários e é avaliada em mais de US$ 800 bilhões.

Já a Amazon reportou US$ 296 bilhões na receita nos 12 meses encerrados em 31 de março, sendo 4 vezes maior que a do Alibaba. Em termos de lucro, a companhia americana reportou US$ 14 bilhões. A empresa conta com 700 mil funcionários e é avaliada em US$ 1,6 trilhão.

Nos primeiros 5 meses deste ano, o Alibaba teve faturamento de US$ 1,17 trilhão, valor 4 vezes maior do que o obtido pela Amazon, US$ 269,4 bilhões. No dia 11 de novembro, conhecido como a “Black Friday chinesa” e também Dia dos Solteiros por lá, a empresa faturou US$ 74 bilhões em vendas.

As duas empresas vêm crescendo de forma consistente e rápida durante a crise causada pelo coronavírus. Uma análise feita pela Forbes destaca que o Alibaba pode superar a Amazon no médio ou longo prazo, e isso se dá pela capacidade da empresa chinesa de colocar mais produtos para os seus consumidores por causa do seu modelo de negócio. Além disso, o Alibaba gera cerca de 86% da receita total de suas principais operações no seu comércio eletrônico, enquanto na Amazon esta porcentagem é de 71%.

Relacionados:

► Pandemia, dólar alto e inflação não impedem crescimento recorde do e-commerce► E-commerce deve fazer com que Black Friday tenha faturamento recorde de R$ 3,74 bi, estima CNC

Leia mais: