clique para ir para a página principal

Qual a diferença entre planos de previdência VGBL e PGBL

Atualizado em -

Qual a diferença entre planos de previdência VGBL e PGBL Sozavisimost por Pixabay
► Previc e Ministério da Economia avaliam aumentar limite para EPFC investir no exterior► Fundos de previdência privada devem fechar o ano com mais de R$ 1 trilhão acumulados

O conceito de previdência está ligado diretamente a cenários possíveis, estimativas e perspectivas sobre como será a expectativa de vida futura e o melhor planejamento financeiro para a aposentadoria. O termo previdência nada mais é do que a "qualidade do que é previdente", ou seja, precavido quanto ao planejamento do futuro.

Portanto, é preciso entender que ao falarmos sobre previdência dentro de um planejamento financeiro estamos considerando um projeto de longo prazo e que, portanto, quando antes iniciado será melhor.

Além de servir como uma renda complementar no futuro, a previdência privada, na prática, é tratada como um tipo de investimento. Afinal, a pessoa aplica um valor mensalmente e, com o tempo, esse dinheiro rende juros até que se forme uma reserva financeira. Essa reserva servirá como uma garantia para a instituição que detiver sua guarda. Em troca, ela pagará juros sobre o valor aplicado ao longo dos anos.

A previdência privada é uma aplicação financeira voltada para a aposentadoria das mais populares, tendo diversas opções disponíveis no mercado. A contribuição parte da iniciativa própria do participante, com liberdade de escolha e adequação às necessidades individuais de cada um.

Esse tipo de planejamento ficou ainda mais relevante após a reforma da Previdência. Cresceu nos brasileiros a consciência sobre a necessidade de complementar a aposentadoria pública. Segundo dados da FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), em fevereiro de 2020, o Brasil já contava com cerca de 13,5 milhões de CPFs com R$ 1,9 trilhão investidos em produtos afins – incluindo PGBLs e VGBLs.

Os planos VGBL fecharam o ano de 2019 respondendo por 90,8% dos novos depósitos. Os planos PGBL responderam por 8,5% das contribuições registradas no ano. E 0,7% dos novos depósitos foram direcionados para planos tradicionais, não mais comercializados por seguradoras e entidades de previdência complementar aberta.

Mas afinal, qual a diferença entre VGBL e PGBL?

Na modalidade de 'Contribuição Definida' o valor do benefício complementar é estabelecido apenas no momento da concessão, de acordo com o saldo acumulado pelas contribuições vertidas ao plano e a rentabilidade das aplicações durante a toda fase contributiva ao longo do tempo.

Portanto, o valor do benefício será proporcional ao saldo existente na data de concessão. E, esta categoria, tem como principais características: individualista; conta individual; incógnita quanto ao valor do benefício; ter como principal risco a gestão do recurso; e se enquadrar, principalmente, nos planos PGBL e VGBL.

Plano Garantidor de Benefício Livre (PGBL): Os contribuintes que utilizam o modelo completo de declaração de ajuste anual do Imposto de Renda para a Pessoa Física (IRPF) podem deduzir as contribuições do respectivo exercício, no limite máximo de 12% de sua renda bruta anual, desde que sejam participantes da previdência básica.

Ou seja, para que a aplicação em PGBL faça sentido, a pessoa deverá:

  • Participar de plano de previdência básica (INSS ou Regime Próprio);
  • Fazer declaração de IR no modelo completo;
  • Aplicar até 12% de sua renda bruta anual.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL): De acordo com circular da SUSEP, de 05/12/2001, que divulga a criação do VGBL: "A diferença entre VGBL e o plano de previdência privada (PGBL) diz respeito ao diferimento fiscal. Enquanto o plano de previdência PGBL há o diferimento sobre a declaração de imposto de renda, mas tributação total no momento do resgate ou recebimento dos benefícios, no caso do VGBL não há a opção do diferimento na declaração de IR, mas somente os rendimentos são tributados no resgate".

Em resumo:

PGBL Plano de previdência privada mais indicado para quem faz a declaração completa de Imposto de Renda e contribui para o INSS. Com o benefício fiscal de poder deduzir do Imposto de Renda o que investiu durante o ano no plano de previdência privada até chegar no limite de até 12% de sua renda bruta tributável anual na declaração completa do IR (por deduções legais).

VGBL Plano de previdência privada mais indicado para quem faz a declaração simplificada de Imposto de Renda, é isento ou para quem faz a declaração completa e deseja aplicar mais de 12% de sua renda bruta tributável anual investida em previdência privada.

Importante: no caso do PGBL o Imposto de Renda é cobrado sobre o valor total da aplicação, no caso do VGBL o imposto é sobre o rendimento.

Em caso de resgates: Cobrança de 15% de imposto de renda na fonte, a título de antecipação, sendo passível de ajuste na Declaração Anual de IR.

Em caso de renda: Cobrança de IR sobre a renda mensal de acordo com a tabela progressiva do imposto de renda.

clique aqui para fazer download

Relacionados:

► Previc e Ministério da Economia avaliam aumentar limite para EPFC investir no exterior► Fundos de previdência privada devem fechar o ano com mais de R$ 1 trilhão acumulados

Leia mais: