clique para ir para a página principal

Confiança cresce em 22 de 30 setores industriais em novembro, informa CNI

Atualizado em -

Confiança cresce em 22 de 30 setores industriais em novembro, informa CNI Pixabay
► Fundos de previdência privada devem fechar o ano com mais de R$ 1 trilhão acumulados► Governo libera R$ 409 milhões para projetos de tecnologia e em soluções para internet 5G

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou nesta quarta-feira (25) que o otimismo cresceu em 22 de 30 setores industriais em novembro. As maiores altas ocorreram em biocombustíveis, que cresceu 10,1 pontos frente a outubro, couro e artefatos de couro, com elevação de 8,3 pontos no período, e equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos, com alta de 4,4 pontos.

O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, pontua que houve uma retomada do crescimento da confiança do empresário em novembro, que havia se estabilizado em outubro depois de sequência de altas no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) ocorridas desde maio.

“O índice recuperou quase toda a queda que ocorreu em março e abril e chega bem próximo ao pico de confiança que tínhamos no início do ano”, diz Azevedo.

A confiança está mais elevada nos setores produtos de borracha, produtos de madeira, metalurgia, couros e artefatos de couro e máquinas e equipamentos. Os menos confiantes são obras de infraestrutura, produtos farmoquímicos e farmacêuticos, móveis, impressão e reprodução de gravações e produtos alimentícios.

As maiores quedas nos índices ocorreram nos setores de móveis, que teve retração de 5,3 pontos, e em farmoquímicos e farmacêuticos, que diminuiu 4,4 pontos. O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, aponta que o menor dos índices setoriais está em 54 pontos, no setor obras de infraestrutura.

Mesmo assim, o indicador está acima da linha dos 50 pontos, sinalizando confiança. Azevedo reforça que vários setores estão com índices acima de 60 pontos, sinalizando forte otimismo. “Empresários confiantes tendem a aumentar a produção, as contratações e os investimentos”, destaca.

A confederação ouviu 2.307 empresas entre 3 e 12 de novembro. Dessas, 885 são pequenas, 839 médias e 583 grandes.

Relacionados:

► Fundos de previdência privada devem fechar o ano com mais de R$ 1 trilhão acumulados► Governo libera R$ 409 milhões para projetos de tecnologia e em soluções para internet 5G

Leia mais: