clique para ir para a página principal

Fim do auxílio e segunda onda de Covid afetam confiança do consumidor

Atualizado em -

Fim do auxílio e segunda onda de Covid afetam confiança do consumidor
► CNC afirma que a intenção de consumo subiu em outubro, mas resultado é o pior para o mês► Confiança de Serviços recua após cinco altas seguidas; IGP-M desacelera alta em outubro

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela FGV, caiu 0,7 ponto percentual em novembro, para 81,7 pontos. Essa foi a segunda queda consecutiva. Na média móvel trimestral, o ICC subiu 0,5 ponto, registrando a quinta alta consecutiva no período, porém em ritmo de desaceleração.

Para a coordenadora do estudo, Viviane Seda Bittencourt, o resultado reflete o aumento das incertezas relacionados a uma possível segunda onda de Covi-19, já observada fortemente na Europa, e o provável fim dos benefícios emergenciais do governo federal.

“Muitos consumidores que perderam o emprego este ano devem retornar ao mercado de trabalho num momento em que as empresas ainda estarão adiando contratações ou demitindo, principalmente no caso de ocorrência de uma segunda onda de covid-19”, afirma Viviane.

A pesquisa captou que, em novembro, houve piora tanto na satisfação dos consumidores em relação à situação atual quanto das expectativas para os próximos meses. O Índice de Situação Atual (ISA) está em 71,8 pontos (queda de 0,6 p.p) e o Índice de Expectativas (IE) está em 89,3 pontos, com recuo de 0,9 p.p.

Na análise por faixas de renda houve recuo da confiança das famílias com maior poder aquisitivo e acomodação para as famílias de menor poder aquisitivo.

Relacionados:

► CNC afirma que a intenção de consumo subiu em outubro, mas resultado é o pior para o mês► Confiança de Serviços recua após cinco altas seguidas; IGP-M desacelera alta em outubro

Leia mais: