clique para ir para a página principal

Nasdaq quer que empresas adotem medidas de ampliação de diversidade em conselhos

Atualizado em -

Nasdaq quer que empresas adotem medidas de ampliação de diversidade em conselhos Divulgação/Nasdaq
► XP Inc anuncia follow-on de 27,5 milhões de ações ordinárias Classe A► Bolsas operam em alta com pedido da Pfizer e BioNtech sobre vacina contra a Covid na Europa

A bolsa de valores americana Nasdaq apresentou nesta terça-feira (01) à SEC (CVM dos EUA), proposta que faz com que as empresas listadas adotem e divulguem medidas de ampliação da diversidade em seus conselhos de administração.

Se aprovadas, as novas regras exigem que as empresas tenham ao menos uma diretora que se identifique como mulher e um diretor ou diretora LGBTQ+. Empresas menores e estrangeiras teriam maior flexibilidade para cumprir com os requisitos.

A nota divulgada pela Nasdaq afirma que o objetivo da proposta é fornecer à sociedade melhor composição do conselho das empresas e aumentar a confianças dos investidores. Além disso, afirma que há vários estudos que associam um melhor desempenho financeiro com governanças diversas.

"Esta proposta dá às empresas a oportunidade de progredir, no sentido de aumentar a representação de mulheres, minorias sub-representadas e da comunidade LGBTQ + em seus conselhos", completa Nelson Griggs , presidente da Nasdaq Stock Exchange.

As 5 principais e maiores empresas do S&P 500 são LGBT-friendly

Uma pesquisa feita pelo banco de investimento Credit Suisse afirma que empresas que são mais tolerante às diferenças em sexualidade e identidade de gênero possuem uma performance melhor no mercado financeiro.

O banco suíço de investimento montou uma lista, chamada LGBT-350, com empresas que possuem lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros como gerentes sênior ou são votadas como inclusivas ao público LGBT+ pelos funcionários. No topo da lista estão a Apple (AAPL), Microsoft (MSFT), Alphabet (GOOGL), Amazon (AMZN) e Facebook (FB).

Credit Suisse ressalta que não encontrou nenhuma ligação direta com o fato dessas empresas serem LGBT-friendly e o bom desempenho e ganho das mesmas, porém os analistas Eugene Klerk, Bahar Sezer Longworth e Richard Kersley, apostam que os benefícios incluem a habilidade de atrair e manter talentos e clientes que fazem parte desses grupos.

Relacionados:

► XP Inc anuncia follow-on de 27,5 milhões de ações ordinárias Classe A► Bolsas operam em alta com pedido da Pfizer e BioNtech sobre vacina contra a Covid na Europa

Leia mais: