clique para ir para a página principal

Governo apresenta plano preliminar de vacinação contra a Covid-19

Atualizado em -

Governo apresenta plano preliminar de vacinação contra a Covid-19 Freepik
► Eficácia de vacina de Oxford foi fruto de erro na dosagem aos voluntários ► Pfizer e BioNTech pedem autorização para uso de vacina na Europa

O Ministério da Saúde apresentou nesta terça-feira (01) um plano preliminar de vacinação contra a Covid-19 que deve ser colocado em prática nos primeiros meses de 2021. O plano é dividido em quatro fases, segundo a distribuição de quem receberá a imunização em cada etapa.

Na primeira fase, a vacina será aplicada nos trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência, como asilos, e população indígena. Na segunda fase, será a vez das pessoas que têm entre 60 e 74 anos e não se enquadram na categoria anterior. A terceira fase inclui pessoas com comorbidades e a quarta e última fase será para professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade.

“É um grande desafio que temos pela frente. Mas temos capacidade técnica, tempo, expertise e pessoas reunidas com vontade fazer o melhor plano do mundo”, afirmou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Embora o plano preliminar já tenha sido divulgado, o governo deixou claro que o projeto oficial só será apresentado quando houver uma vacina registrada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Se as quatro fases da proposta forem seguidas, 109,5 milhões de pessoas serão imunizadas, em duas doses, como previsto pelos esquemas vacinais dos imunizantes já garantidos pelo Ministério da Saúde – Fiocruz/AstraZeneca e por meio da aliança Covax Facility.

Segundo o Ministério, o Brasil já possui atualmente garantidas 142,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 por meio dos acordos Fiocruz/AstraZeneca (100,4 milhões) e Covax Facility (42,5 milhões). No mês passado, a pasta sediou encontros com representantes dos laboratórios Pfizer BioNTech, Moderna, Bharat Biotech (covaxin) e Instituto Gamaleya (sputinik V), que também possuem vacinas em estágio avançado de pesquisa clínica, para aproximação técnica e logística.

Desde o início da pandemia, em março, o Brasil já registrou 173.862 mortes e 6.388.526 casos confirmados do novo coronavírus.

Reino Unido

O Reino Unido anunciou nesta quarta-feira (02) a aprovação da vacina contra a Covid-19 das farmacêuticas Pfizer e Biontech e prevê iniciar a vacinação na semana que vem. “É a proteção das vacinas que vai finalmente nos trazer de volta às nossas vidas e fazer a economia andar novamente”, escreveu o primeiro-ministro Boris Johnson em uma rede social.

Relacionados:

► Eficácia de vacina de Oxford foi fruto de erro na dosagem aos voluntários ► Pfizer e BioNTech pedem autorização para uso de vacina na Europa

Leia mais: