clique para ir para a página principal

Reino Unido aprova uso de vacina da Pfizer e imunização pode começar em uma semana

Atualizado em -

Reino Unido aprova uso de vacina da Pfizer e imunização pode começar em uma semana Pixabay
► Eficácia de vacina de Oxford foi fruto de erro na dosagem aos voluntários ► Pfizer e BioNTech pedem autorização para uso de vacina na Europa

O órgão regulatório britânico (MHRA) aprovou o uso da vacina contra coronavírus desenvolvida pela Pfizer/BioNTech para uso generalizado na população e diz que a imunização é segura.

Segundo a BBC, as aplicações podem começar já dentro de alguns dias para pessoas em grupos prioritários, como idosos e profissionais de saúde. A imunização em massa de todas as pessoas com mais de 50 anos e de pessoas mais jovens com comorbidades deve acontecer à medida que mais estoques se tornam disponíveis em 2021. Essa vacina é administrada em duas injeções, com 21 dias de intervalos, sendo a segunda uma dose de reforço. Ainda de acordo com a rede britânica, cerca de 10 milhões de doses da vacina devem estar disponíveis em breve.

Essa é a vacina mais rápida a ser desenvolvida na história, levando apenas 10 meses entre o conceito e a aplicação – processo que normalmente leva uma década. Vale lembrar que a Rússia foi o primeiro país no mundo a registrar uma vacina, a Sputnik V, contra a covid-19, em agosto, ainda com resultados incompletos dos estudos para verificar eficácia e segurança. O país começou a distribuir a vacina em um hospital de Moscou no dia 30/11, mas a análise completa dos estudos ainda não foi publicada em uma revista científica internacional.

O Brasil, segundo o Ministério da Saúde, possui atualmente garantidas 142,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 por meio dos acordos Fiocruz/AstraZeneca (100,4 milhões) e Covax Facility (42,5 milhões). No mês passado, a pasta sediou encontros com representantes dos laboratórios Pfizer BioNTech, Moderna, Bharat Biotech (covaxin) e Instituto Gamaleya (sputinik V), que também possuem vacinas em estágio avançado de pesquisa clínica, para aproximação técnica e logística.

Relacionados:

► Eficácia de vacina de Oxford foi fruto de erro na dosagem aos voluntários ► Pfizer e BioNTech pedem autorização para uso de vacina na Europa

Leia mais: