clique para ir para a página principal

Financiamento de veículos tem alta de 4,9% em novembro, afirma B3

Atualizado em -

Financiamento de veículos tem alta de 4,9% em novembro, afirma B3 Pexels
► Anfavea aponta que a venda de veículos novos caiu 7,1% em novembro ► Inflação avança 0,89% em novembro; no ano, indicador já acumula alta de 3,13%

Novembro registrou alta de 4,9% na venda financiada de veículos novos e usados em todo país ante igual período no ano passado. Esse número foi puxado especialmente pela venda de usados e mostra uma manutenção de vendas a crédito em níveis semelhantes ao do período pré-pandemia.

Na comparação mensal, houve uma queda de 1,8% no financiamento de veículos usados e alta de 6,5% na venda de novos. Os números são da B3, que opera o Sistema Nacional de Gravames (SNG), a maior base privada do país, que reúne o cadastro das restrições financeiras de veículos dados como garantia em operações de crédito em todo o Brasil.

b3 veículos em novembro, financiamento, novos, usados, carros

Fonte: B3

“Os dados de novembro continuam mostrando a tendência de recuperação das vendas financiadas para os níveis do período pré-pandemia. A média diária de financiamentos em novembro de 2020 foi de 27,6 mil unidades, considerando apenas dias úteis. Em novembro de 2019, a mesma média diária foi de 26,3 mil veículos”, avalia Tatiana Masumoto Costa, superintendente de Planejamento da B3.

O mês também registrou pico de financiamentos em um únido dia, impusionado pela antecipação do IOF.

“Outro destaque do mês foi um pico de financiamentos concentrado em um único dia: foram 42,9 mil registros de vendas a crédito em 26 de novembro. Parte desse volume pode ser explicado pelo fim da isenção de IOF em operações de crédito. A antecipação da data para o fim do benefício estimulou a busca pela contração dos financiamentos para aquisição de veículos no dia”, completa Tatiana.

Relacionados:

► Anfavea aponta que a venda de veículos novos caiu 7,1% em novembro ► Inflação avança 0,89% em novembro; no ano, indicador já acumula alta de 3,13%

Leia mais: