clique para ir para a página principal

Bolsonaro: "É menos ruim inflação do que desabastecimento”; IBGE prevê safra 1,9% maior em 2021

Atualizado em -

Bolsonaro: "É menos ruim inflação do que desabastecimento”; IBGE prevê safra 1,9% maior em 2021 Alan Santos/PR
► Copom mantém taxa básica de juros da economia em 2% na última reunião do ano► Vendas no varejo registram alta de 0,9% no mês de outubro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (10) que “é menos ruim ter uma inflação do que um desabastecimento”. A fala foi proferida em discurso na inauguração do eixo principal da nova ponte do Guaíba, em Porto Alegre (RS).

Ao falar da disparada de preços em alguns produtos como, por exemplo, o arroz e óleo de soja, Bolsonaro afirmou que se o homem do campo tivesse ficado em casa, “teria sido um caos”.

“Ainda estamos vivendo um finalzinho de pandemia. O nosso governo, levando-se em conta outros países do mundo, foi aquele que melhor se saiu, ou um dos que melhor se saíram no tocante à economia. Prestamos todo os apoios possíveis a estados e municípios. O auxílio emergencial foi diretamente na veia, diretamente na conta de 67 milhões de brasileiros, que precisavam realmente disso aí. Isso fez movimentar a também economia de estados e municípios", destacou.

O presidente também lembrou o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que socorreu micro e pequenas empresas durante a pandemia. “Nós evitamos um colapso da economia. Meus senhores, economia e saúde têm que andar de mãos dadas”, acrescentou. Para saber mais sobre o programa, clique aqui.

Safra 2020/2021

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje (10) que a estimativa de outubro para a safra de 2020 alcançou 252 milhões de toneladas, 4,4% superior à obtida em 2019 (241,5 milhões de toneladas). O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que, somados, representam 92,7% da estimativa da produção e respondem por 87,1% da área a ser colhida.

Entre as principais lavouras do país, neste ano são esperadas altas de 7,1% para a soja, de 7,8% para o arroz, de 0,4% para o milho e de 2,9% para o algodão herbáceo. A de feijão deve fechar o ano com queda de 5% devido principalmente às perdas em sua segunda safra.

Para 2021, entre as cinco principais lavouras, deve ocorrer aumento apenas na soja (5,1%). São esperadas quedas nas produções de arroz (-1,8%), milho (-0,9%), algodão herbáceo (-13,6%) e feijão (-3,6%).

Relacionados:

► Copom mantém taxa básica de juros da economia em 2% na última reunião do ano► Vendas no varejo registram alta de 0,9% no mês de outubro

Leia mais: