clique para ir para a página principal

Guedes diz que vacinação contra a Covid-19 terá custo de R$ 20 bilhões aos cofres públicos

Atualizado em -

Guedes diz que vacinação contra a Covid-19 terá custo de R$ 20 bilhões aos cofres públicos Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
► Barômetros Globais indicam desaceleração no ritmo do crescimento econômico mundial ► Vacina de Oxford será testada em aplicação combinada com a russa; Sanofi e GSK atrasam pesquisas

Em declaração no Congresso Nacional, o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta sexta-feira (11) que a campanha de vacinação em massa contra o novo coronavírus irá custar cerca de R$ 20 bilhões aos cofres públicos e que não faltarão recursos para atender essa demanda.

"[A vacina] é uma aspiração do brasileiro e, mais do que isso, é um direito. E não vai ser por falta de recursos que vamos deixar de cumprir essa obrigação. Só para os senhores [parlamentares] terem uma ideia, se formos partir para uma campanha de vacinação em massa, devem ser mais ou menos uns R$ 20 bilhões", disse Guedes.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro disse que a futura vacina contra a Covid-19 será distribuída de forma gratuita para toda a população, mas não especificou se isso valerá para qualquer uma das vacinas em desenvolvimento.

Auxílio Emergencial

Guedes também afirmou hoje (11) que o governo tem instrumentos para atenuar o fim do auxílio emergencial em 2021, sem estourar o teto de gastos.

“Não descartamos usar ferramentas dentro do teto. Temos a capacidade de antecipar benefícios, diferir arrecadação de impostos (adiar o pagamento dos tributos). Já fizemos isso neste ano. Esses instrumentos vão permitir fazer aterrissagem em 2021”, pontuou.

O chefe da pasta econômica ressaltou ainda que, apesar da execução orçamentária do auxílio emergencial acabar em dezembro, o cronograma de pagamentos pela Caixa e o Ministério da Cidadania deve avançar um mês e meio ou dois meses em 2021. “Ainda haverá uma cobertura do auxílio em janeiro e metade de fevereiro”, completou.

O ministro se mostrou otimista e disse esperar que 2021 seja um ano diferente, mas voltou a cobrar do Congresso a aprovação de reformas, ao repetir que “não existe milagre” para a recuperação da economia. “Só as reformas vão transformar recuperação baseada em consumo em crescimento com investimento”, enfatizou.

Relacionados:

► Barômetros Globais indicam desaceleração no ritmo do crescimento econômico mundial ► Vacina de Oxford será testada em aplicação combinada com a russa; Sanofi e GSK atrasam pesquisas

Leia mais: