clique para ir para a página principal

Vacina de Oxford será testada em aplicação combinada com a russa; Sanofi e GSK atrasam pesquisas

Atualizado em -

Vacina de Oxford será testada em aplicação combinada com a russa; Sanofi e GSK atrasam pesquisas Pixabay
► Presidente da Pfizer no Brasil estima que a vacina pode chegar ao país até março do ano que vem ► Governo de SP inicia vacinação contra coronavírus em 25 de janeiro

A farmacêutica sueca AstraZeneca, que desenvolve uma vacina em parceria com a Universidade de Oxford, anunciou nesta sexta-feira (11) que fará testes clínicos experimentais combinando sua vacina contra a Covid-19 - em fase de estudos - com a Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, na Rússia.

"Anunciamos um programa de testes clínicos para avaliar a segurança e a imunogenicidade da combinação da ASD1222, desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, e Sputnik V, desenvolvida pelo instituto de pesquisa Gamaleya", comunicou a unidade da AstraZeneca na Rússia.

A vacina da AstraZeneca é uma das quatro que estão sendo testadas aqui no Brasil. Oxford e a AstraZeneca já publicaram dados da eficácia de seu imunizante em revista científica; já os pesquisadores russos ainda não.

O governo brasileiro possui um acordo para a compra de 100 milhões de doses da vacina de Oxford, cujos testes também foram feitos pela Fiocruz. O investimento brasileiro será de R$ 1,9 bilhão.

Nesta semana, o ministro Eduardo Pazuello (Saúde) disse que a previsão é que o registro da vacina esteja pronto no fim de fevereiro. Sobre a Sputnik V, o governo russo já firmou parcerias diretas com os governos do Paraná e da Bahia para produção dela em solo brasileiro.

Sanofi e GSK têm atraso na vacina

Em outro comunicado, a farmacêutica Sanofi divulgou hoje que suas pesquisas para a vacina contra a Covid-19, feitas em parceria com a britânica GlaxoSmithKline (GSK), teve um atraso. Segundo a agência de notícias Dow Jones, os resultados provisórios das fases 1 e 2 mostraram respostas imunológicas insuficientes em idosos.

De acordo com a Dow Jones, a Sanofi informou que isso pode ter acontecido devido a uma concentração insuficiente do antígeno utilizado. As duas empresas agora planejam um novo estudo para fevereiro com uma nova formulação aprimorada.

Relacionados:

► Presidente da Pfizer no Brasil estima que a vacina pode chegar ao país até março do ano que vem ► Governo de SP inicia vacinação contra coronavírus em 25 de janeiro

Leia mais: