clique para ir para a página principal

Bolsonaro reconhece vitória de Joe Biden e diz que não irá se vacinar contra a Covid-19

Atualizado em -

Bolsonaro reconhece vitória de Joe Biden e diz que não irá se vacinar contra a Covid-19 Marcelo Casal Jr/Agência Brasil
► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021 ► Mourão diz não saber o que falta para o Brasil reconhecer vitória de Biden

Em entrevista por telefone ao jornalista José Luiz Datena, da TV Band, o presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta terça-feira (15) a vitória de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos, autorizando, inclusive, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a cumprimentar oficialmente o republicano.

"Alguns minutos antes de entrar no ar eu já dei um "start" para o nosso ministro Ernesto Araújo, para ele fazer essa comunicação nossa, nas redes oficiais do governo. Depois, nas minhas redes particulares. Posso te mandar agora aqui, desligando o telefone, qual foi a mensagem que eu mandei para o presidente Biden. Da minha parte, e da parte dele com toda certeza, o americano é pragmático, nós vamos fazer um trabalho de cada vez mais aproximação", destacou.

Na entrevista, Bolsonaro fez elogios a Donald Trump, que permanece no cargo até o começo do ano que vem. O republicano, no entanto, ainda não reconheceu a derrota para Joe Biden e afirma que as eleições foram fraudadas, apesar de não haver evidências nesse sentido.

"Eu espero que tudo dê certo com o Biden, agora, já que os delegados reconheceram lá que ele realmente foi eleito. Não vamos discutir mais a questão se houve ou não uma eleição tranquila. Não cabe mais eu falar absolutamente mais nada. Esperei o reconhecimento e nós aqui já fizemos o comunicado, agora há pouco, ao presidente Joe Biden", comentou Bolsonaro.

Em uma publicação no Twitter, o presidente brasileiro mandou saudações a Biden e disse que está disposto a trabalhar com o novo governo, dando continuidade à "construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos". O mesmo texto também foi divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores.

Mais cedo, o vice-presidente Hamilton Mourão pontuou não saber o que faltava para que o Brasil reconhecesse a vitória de Joe Biden nos Estados Unidos, conforme noticiou o Mercado1Minuto. Depois dos parabéns do presidente da Rússia, Vladimir Putin, Jair Bolsonaro e o norte-coreano Kim Jong-un eram os únicos líderes de expressão a não terem cumprimentado Biden até o momento.

Covid-19

Hoje (15), o Ministério da Saúde informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o governo prevê iniciar a vacinação contra a Covid-19 em até cinco dias após o registro ou autorização das doses pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a entrega dos primeiros lotes.

Segundo a pasta, a vacinação deve ser concluída em 16 meses – quatro meses para vacinar todos os grupos prioritários e, em seguida, 12 meses para imunizar a "população em geral".

Na entrevista concedida a José Luiz Datena, Jair Bolsonaro afirmou que não irá se vacinar contra a Covid-19, mas deixou claro que o Ministério da Saúde irá comprar qualquer imunizante aprovado pela Anvisa. "Se minha vida está em risco, o problema é meu", acrescentou, afirmando que a imunização não pode ser obrigatória.

Relacionados:

► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021 ► Mourão diz não saber o que falta para o Brasil reconhecer vitória de Biden

Leia mais: