clique para ir para a página principal

Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,34% acompanhando o ânimo do pacote de estímulos dos EUA

Atualizado em -

Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,34% acompanhando o ânimo do pacote de estímulos dos EUA Pexels
► BC prevê alta na inflação em dezembro e desaceleração na recuperação econômica ► Empresários de todos os setores da indústria continuam confiantes com a retomada econômica, informa CNI

O índice brasileiro encerrou o dia em alta de +1,34% aos 116.148 pontos acompanhando o ânimo com a apresentação do pacote de estímulos de US$ 748 bilhões nos Estados Unidos. A presidente da Câmara de Representantes, convidou líderes do Congresso, como o líder da maioria republicana no Senado, para discutir o financiamento do governo e esse novo programa.

O número do novo programa está abaixo dos US$ 908 bilhões, mas é um pacote que trata de questões consensuais entre democratas e republicanos como os benefícios a desempregados e empréstimos a pequenos negócios.

Uma proposta separada com mais US$ 160 bilhões pode ser apresentada nas próximas semanas e envolveria a ajuda a governos estaduais e as proteções de responsabilidade legal de empresas, mas a prioridade atualmente é aquele primeiro projeto para o qual existe um acordo maior.

Os investidores interpretam a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que destacou a natureza conjuntural dos choques inflacionários, mas segue com a mensagem de que a Selic em 2% ao ano não necessariamente se manterá por muito tempo.

Enquanto isso, o dólar comercial registra queda de -0,66% a R$ 5,0879 na compra e a R$ 5,0889 na venda.

Maiores altas

  • Lojas Americanas (LAME4) +7,49% R$ 25,27
  • Cosan (CSAN3) +6,15% R$ 73,86
  • Hypera (HYPE3) +5,59% R$ 33,79

Maiores baixas

  • Cogna (COGN3) -2,79% R$ 4,87
  • Fleury (FLRY3) -1,75% R$ 26,97
  • Tim (TIMS3) -1,51% R$ 14,39

Relacionados:

► BC prevê alta na inflação em dezembro e desaceleração na recuperação econômica ► Empresários de todos os setores da indústria continuam confiantes com a retomada econômica, informa CNI

Leia mais: