clique para ir para a página principal

Fed mantém juros e continuará comprando títulos até que a economia volte ao pleno emprego

Atualizado em -

Fed mantém juros e continuará comprando títulos até que a economia volte ao pleno emprego Leah Millis/Reuters
► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021 ► Bolsonaro reconhece vitória de Joe Biden e diz que não irá se vacinar contra a Covid-19

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) decidiu nesta quarta-feira (16) manter a taxa básica de juros do país próxima a zero, segundo comunicado oficial do Comitê Federal de Mercado Aberto (o FOMC, na sigla em inglês).

A instituição monetária americana destacou que está empenhada em usar todos os artifícios para apoiar a economia dos EUA neste "momento desafiador, promovendo assim os objetivos de máximo emprego e estabilidade de preços". Além disso, o Fed reforçou seu compromisso de comprar pelo menos US$ 120 bilhões em títulos por mês “até que um progresso substancial tenha sido feito em direção às metas máximas de emprego e estabilidade de preços do Comitê”.

"Essas compras de ativos ajudam a promover o funcionamento suave do mercado e condições financeiras acomodatícias, sustentando assim o fluxo de crédito às famílias e empresas", disse o Fed, no comunicado.

O banco também atualizou suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos de 2020 a 2023. A entidade agora espera contração de 2,4% do PIB neste ano, frente à queda de 3,7% antes projetada. Para o ano que vem, a expectativa é de crescimento de 4,2%, ligeiramente acima de avanço da mediana das projeções de junho, de 4,0%.

Em 2022, a projeção é de avanço do PIB de 3,2% (de 3,0% anteriormente), enquanto que em 2023 o Fed projeta avanço de 2,4% (ante 2,5% na leitura anterior). No longo prazo, a previsão é de crescimento de 1,8% (de 1,9% em setembro).

Em relação ao mercado de trabalho, a instituição monetária espera um cenário mais positivo em comparação com as projeções de setembro. Segundo as previsões atualizadas, a taxa de desemprego deve ficar em 6,7% em 2020, quando em setembro a expectativa era de 7,6%.

No ano que vem, o Fed projeta um desemprego de 5,0%, (ante 5,5% em setembro), enquanto que para 2022 a entidade reduziu sua previsão de setembro de 4,6% para 4,2% na leitura mais recente. Para 2023, a projeção era de 4,0% em setembro, e agora passou para 3,7%. No longo prazo, a mediana das expectativas foi mantida em 4,1%.

Relacionados:

► Governo fixa em R$ 247,1 bilhões meta de déficit primário para 2021 ► Bolsonaro reconhece vitória de Joe Biden e diz que não irá se vacinar contra a Covid-19

Leia mais: