clique para ir para a página principal

Construção civil foi setor que mais gerou empregos em 2020, revela CBIC

Atualizado em -

Construção civil foi setor que mais gerou empregos em 2020, revela CBIC Pixabay
► Guedes diz que Brasil está pronto para entrar na OCDE e que reformas acontecerão no ano que vem► Monitor do PIB-FGV aponta alta de 0,6% em outubro; queda acumulada em 12 meses é de 2,7%

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgou nesta quinta-feira (17) que o Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil no terceiro trimestre deste ano está no mesmo patamar do observado no início de 2007. As atividades do setor estão 36% abaixo do pico de 2014, quando atingiram seu melhor nível. Apesar disso, a construção foi o setor que mais gerou empregos no país nos primeiros dez meses de 2020, com a criação de 138.409 vagas formais, de acordo com dados do Ministério da Economia. Esse é o melhor resultado para o período desde 2013, quando a construção gerou 207.787 novas vagas.

Na avaliação do presidente da entidade, José Carlos Martins, se o nível de atividade da construção estivesse em níveis mais elevados, certamente o país teria passado pela crise de outra maneira, com menos sofrimento.

“As nossas atividades não foram paralisadas. Em março, imaginávamos que fecharíamos o ano com PIB negativo de até 11%. No entanto, vamos chegar ao fim do ano com projeção de redução de 2,8% e mais de 100 mil vagas geradas”, disse.

Para que a avaliação se concretize, de acordo com Martins, é importante que os programas de concessões e os debates para reformas estruturantes tenham andamento tanto no Poder Executivo Federal quanto no Congresso Nacional. Medidas como a chamada Lei do Distrato Imobiliário, o Novo Marco do Saneamento e o lançamento do programa Casa Verde e Amarela também contribuem para o cenário favorável para 2021.

Na avaliação da CBIC, o Brasil precisa solidificar o crescimento pelo investimento. Ieda Vasconcelos, economista da instituição, destaca que quando a taxa de investimento do Brasil foi superior a 21%, a construção civil participava com mais de 50% desse percentual. “A taxa de investimento, para melhorar, precisa necessariamente passar pelo setor da construção civil”, afirmou.

Relacionados:

► Guedes diz que Brasil está pronto para entrar na OCDE e que reformas acontecerão no ano que vem► Monitor do PIB-FGV aponta alta de 0,6% em outubro; queda acumulada em 12 meses é de 2,7%

Leia mais: